Espanha compra à China equipamentos médicos no valor de 450 milhões de euros

BOLOGNA, ITALY - MARCH 21: Swab controls made by AUSL (Aziende Unità Sanitarie Locali) for people in cars on March 21, 2020 in Bologna, Italy. The Italian government continues to enforce the nationwide lockdown measures to control the spread of coronavirus (COVID-19). (Photo by Massimo Cavallari/Getty Images)

A Espanha assinou um contrato de 450 milhões de euros com a República Popular da China para a compra de equipamentos médicos, incluindo 550 milhões de máscaras, 950 respiradores, 5,5 milhões de testes rápidos de coronavírus e 11 milhões de luvas.

O ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa, fez o anúncio esta quarta-feira numa conferência de imprensa em que também sublinhou que “não houve qualquer confiscação ou retenção de materiais, nem haverá”, e que o Governo “continuará a apoiar” todas as acções de compra realizadas pelas várias comunidades autónomas.

Salvador Illa respondia assim às críticas à falta de material e atraso na sua distribuição por parte do Governo nacional às comunidades autónomas, que em Espanha têm autonomia e competências particulares no que diz respeito à política de saúde.

O número de mortos em Espanha devido à pandemia de covid-19 ultrapassou hoje o da China continental, com um total de 3.434 vítimas mortais, segundo a actualização diária feita pelas autoridades de saúde do país.

De acordo com os números do Ministério da Saúde, Espanha registou, nas últimas 24 horas, 738 mortos com o novo coronavírus e um aumento de 7.937 no número de infectados.

Desde o início da pandemia, o país teve um total de 47.610 casos de covid-19, dos quais 3.434 morreram e 5.367 tiveram alta e são considerados como curados.

Na totalidade do país, há 26.960 pessoas hospitalizadas, das quais 3.166 em unidades de cuidados intensivos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do novo coronavírus, já infectou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 226.000 casos, é aquele onde está a surgir actualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos registados até terça-feira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.