Pequenas e Médias Empresas pedem ajuda ao Governo

Um grupo que representa cerca de 2.400 pequenas e médias empresas (PME) pediu esta quarta-feira apoio financeiro ao Governo, face à crise desencadeada pelo Covid-19. A informação foi avançada à agência Lusa pelo deputado José Pereira Coutinho.

“O Governo deve com urgência avançar com medidas drásticas e suficientes para poder salvar as pequenas e média”, sublinhou o também presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública (ATFPM), que acompanhou o grupo na entrega da petição, esta tarde.

De acordo com o responsável, o Governo deve conceder às PME empréstimos a fundo perdido, de forma a alavancar a situação “dramática” com que alguns empresários se deparam.

O cálculo para os empréstimos a fundo perdido, reforçou o deputado, “deve seguir as regras internacionais”, contabilizando o “volume de negócio e o número de empregados” de cada empresa. Na opinião de Pereira Coutinho, as medidas que o Governo já anunciou são insuficientes.

O Executivo liderado por Ho Iat Seng tinha indicado em 31 de Janeiro que ia antecipar para Abril o pagamento da comparticipação pecuniária anual, no valor de 10 mil patacas e de seis mil patacas para residentes permanentes e não permanentes, respectivamente.

Em 13 de Fevereiro, o Executivo anunciou mesmo benefícios fiscais para empresas e população, uma linha de empréstimos bonificados para as PME e medidas de apoio social para reduzir o impacto económico do coronavírus.

“Aquilo que o Governo fez foi adiantar fundos e subsídios”, criticou o deputado.

O Governo vai também entregar vales de consumo electrónicos para cada residente de Macau no valor de três mil patacas (350 euros), que podem ser utilizados em restaurantes, lojas, supermercados, entre outros.

Contudo, o deputado denunciou que muitos estabelecimentos não têm o equipamento para estes vales de consumo electrónicos, tendo esta medida uma fraca incidência para o aumento das receitas das Pequenas e Médias Empresas.

O número de infectados com pelo Covid-19 em Macau desceu para três após uma nova alta hospitalar anunciada na terça-feira pelos Serviços de Saúde.

Dos 10 casos registados em Macau, este é o sétimo paciente a receber alta, continuando internadas outras três pessoas.

Casinos, parques públicos, trilhos, serviços públicos, zonas de lazer, espaços de ginástica na rua, parques infantis, entre outros, estão a ser abertos gradualmente. O Governo de Macau ainda não tem data prevista para a abertura das escolas, encerradas desde o início do mês.

A ocupação hoteleira de Macau foi de 11,8 por cento na semana passada, num território que antes do Covid-19 acolhia três milhões de visitantes mensais e em 2019 teve uma ocupação média de 90 por cento, anunciaram as autoridades.

O território, que vive sobretudo do turismo proveniente da China Continental, já praticamente não recebe visitantes do país, que estão sem vistos para entrar em Macau, confrontados com restrições nas fronteiras e com o súbito e indeterminado cancelamento de voos desde que começou o surto, no final de 2019.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.