Hong Kong. Governo apresenta pacote de 120 mil milhões para salvar economia

As autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong tiraram esta quarta-feira o véu a medidas de sustentação financeira no valor de 120 mil milhões de dólares de Hong Kong. O pacote tem por objectivo recuperar a economia local, afectada pelos protestos anti-governamentais e pelo novo coronavírus.

Na apresentação das Linhas de Acção Governativa para 2020/2021, esta quarta-feira no Conselho Legislatavio , o secretário para as Finanças, Paul Chan, indicou que o Governo vai distribuir uma ajuda financeira no valor de dez mil dólares de Hong Kong a todos os residentes permanentes em idade adulta. No território vizinho foram diagnosticados 85 casos de infecção pelo novo coronavírus.

Paul Chan explicou aos deputados que o orçamento pretende “apoiar empresas, salvaguardar empregos, estimular a economia e aliviar o fardo das pessoas”.

O mesmo governante estimou um défice recorde para o próximo ano e expressou a convicção de que “apenas com este orçamento será possível ajudar a comunidade e empresas locais a superar as dificuldades” com que a antiga colónia britânica se tem deparado.

Chan reconheceu que 2019 “foi um ano inquietante, repleto de obstáculos e inesquecível para todo o povo de Hong Kong”, muito por causa dos protestos anti-governamentais que tiveram um forte impacto na economia desde Junho.

“Antes que pudéssemos resolver as coisas, houve um surto inesperado da nova doença do coronavírus”, argumentou.

Por outro lado, o responsável salientou que “prevenir e combater a epidemia, bem como empregar recursos para aliviar a pressão sobre as empresas e o público em geral, são (…) a principal prioridade”, algo que já se traduziu na passada semana com o anúncio de um “fundo anti-epidemia” de 30 mil milhões de dólares de Hong Kong “para aliviar o fardo sobre essas indústrias e funcionários, diante da tempestade”.

Em Macau, onde até ao momento foram identificados dez casos, o Governo liderado por Ho Iat Seng tinha indicado em 31 de Janeiro que ia antecipar para Abril o pagamento da comparticipação pecuniária anual, no valor de 10 mil patacas para residentes permanentes e de seis mil patacas para residentes não permanentes.

A 13 de Fevereiro, o Executivo anunciou benefícios fiscais para empresas e população, uma linha de empréstimos bonificados para as pequenas e médias empresas e medidas de apoio social para reduzir o impacto económico decorrente do novo coronavírus.

As medidas excepcionais incluem a isenção ou redução dos impostos, pela abertura de uma linha de empréstimo com juros bonificados, pelo reforço do apoio social, bem como pelo lançamento de vales de consumo electrónico.

O balanço provisório do surto epidémico é de pelo menos 2.763 mortos e cerca de 81 mil infectados, de acordo com dados de mais de 40 países e territórios.

Das pessoas infetadas, quase 30 mil recuperaram.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.