Morreu Pedro Baptista, ensaísta que cartografou o pensamento português em Macau

O escritor, filósofo e ensaísta Pedro Baptista, que residiu em Macau durante vários anos, faleceu esta quinta-feira, vítima de doença súbita. A informação foi avançada pelo Jornal de Notícias e foi entretanto confirmada pela Câmara Municipal do Porto, cidade onde nasceu e onde residia. Comissário das comemorações dos duzentos anos da Revolução Liberal de 1820, Pedro Baptista era esperado esta manhã na Casa do Infante, no Porto, para uma visita prévia à exposição “1820. Revolução Liberal no Porto”.

A inauguração da mostra pauta o arranque de um extenso programa de comemorações lançado pela Câmara Municipal do Porto para assinala o bi-centenário do pronunciamento militar que esteve na origem da Revolução Liberal.

Numa entrevista publicada esta quinta-feira pelo Jornal de Notícias,  Pedro Baptista dizia estar empenhado na organização de um simpósio para “perceber qual o sentido do liberalismo nos dias de hoje”: “Porque a revolução de 1820, para a época, foi o que de mais avançado podia ter acontecido”.

Pedro Baptista nasceu na freguesia de Nevogilde, no Porto, em 1948. Licenciado e doutorado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, foi investigador-coordenador no Instituto de Filosofia desta Faculdade e investigador-colaborador no Centro de Estudos do Pensamento Português da Universidade Católica. Durante a primeira metade da última década foi investigador do East-West Institute for Advanced Studies, tendo vivido intermitentemente em Macau durante vários anos.

Escreveu, entre muitos outros volumes, Ao Encontro do Halley (ensaio, 1987), Sporá (romance, 1992; finalista do Grande Prémio do Romance da SPE), O Cavaleiro Azul (romance, 2001), Pessoas, Animais e Outros que Tais (narrações, 2006) e Centenário do Gabiru (estudo, 2007). É autor ainda de diversas comunicações no campo da filosofia, entre os quais o volume “Filosofia Contemporânea Portuguesa em Macau : Introdução”, publicado pela editora Livros do Meio em 2013. Na obra procura traçar uma cartografia do pensamento português no território: “Infelizmente, ou felizmente para a empresa que ora encetamos, a história das ideias e, em especial, a história da filosofia em Macau é um campo em grande parte por cultivar, pelo que procuraremos abrir portas que permitam aceder aos diferentes sectores mais especializados percorridos ou, pelo menos, marcados pela filosofia”, explicou o autor, aquando da apresentação da obra.

Chumbou no exame de admissão à universidade por ter citado Lenine, Marx e Freud, revelou numa entrevista concedida ao jornal PÚBLICO, em 2009. Mas já antes, em 1958, então com apenas 11 anos, apercebera-se do que aconteceu com a eleição de Humberto Delgado. “Aqui a casa chegavam os três jornais do Porto, e eu, desde os dez anos, lia-os todos. E aprendi a ler nas entrelinhas. Se diziam uma coisa, o contrário é que devia ser a verdade. Se mostravam grande indignação por a ONU ter condenado Portugal numa dada situação, eu concluía logo que a ONU deveria estar certa.”

Foi dirigente estudantil de 1968 a 1971, co-fundador de O Grito do Povo em 1971, preso político e deportado em 1973, e deputado socialista à Assembleia da República, eleito pelo Porto, entre 1995 e 1999. Foi candidato do Partido Democrático do Atlântico (PDA), em 2011, também pelo círculo do Porto. Pedro Baptista tinha 72 anos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.