Número de vítimas na China aumenta para 1770. Infecções já são 70 mil

O número de pessoas infectadas com o novo coronavírus na República Popular da China superou a barreira das 70.000 esta segunda-feira, um dia depois de um painel de especialistas internacionais sob a égide da Organização Mundial de Saúde se ter reunido pela primeira vez com os seus colegas chineses com o propósito de discutir as estratégias a adoptar para refrear a propagação do coronavírus.

O número de mortos na China continental subiu para 1770, depois de no domingo terem sido registadas de mais uma centena de mortes – 105 – na província de Hubei, a província onde o vírus emergiu pela primeira vez em Dezembro, antes de se disseminar pelo país e pelo mundo.

As preocupações com a propagação do vírus continuam elevadas e o alcance da epidemia foi destacado pelos Estados Unidos da América ao final da tarde domingo, ao anunciar que mais de três dezenas de cidadãos norte-americanos que se encontram a bordo de um navio de cruzeiro, em quarentena ao largo do porto japonês de Yokohama, foram infectados.

O número de novos casos da estirpe Covid-19 disparou na semana passada, quando a Comissão Provincial de Saúde de Hubei alterou os seus critérios de contagem de casos para incluir pessoas diagnosticadas através de raio-X e de tomografias.

O número de novos casos registados na província que está no epicentro do surto epidémico aumentaram esta segunda-feira em cerca de uma centena face aos números registados no domingo, mas são, ainda assim, significativamente mais baixos do que os registados na sexta-feira e no sábado.

Os números mais recentes foram dados a conhecer horas depois do director da Organização Mundial da Saúde ter dito que os especialistas internacionais que integram a missão conjunta que a OMS enviou para a China já chegaram a Pequim, onde tiveram a sua primeira reunião com os colegas chineses.

“Estamos ansiosos por poder desenvolver esta colaboração de vital importância, contribuindo para o conhecimento global sobre o surto de # COVID19”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus no Twitter.

Mi Feng, porta-voz da Comissão Nacional de Saúde, considerou no domingo que a diminuição do número de casos mostra que a República Popular da China está a controlar o surto.

Mas Tedros alerta que é “impossível prever a direcção que a epidemia tomará”.

O órgão de saúde da ONU também pediu a Pequim mais detalhes sobre a forma como os diagnósticos estão a ser feitos.

A escalada da epidemia aumentou de forma avassaladora na quinta-feira da semana passada, depois de as autoridades de Hubei terem alterado os critérios de contagem de casos, adicionando retroactivamente 14.000 casos num único dia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.