Uma vez na vida

Fotografia: José Drummond

“E um dia podes dar por ti a viver numa esplêndida casa, com uma esposa lindíssima e sentir-te-ás tentado a perguntar, bem, como como é que aqui cheguei?”* E no outro dia podes dar por ti à beira de um esgotamento nervoso. E podes dar por ti a ver e a rever os números, todos os dados conhecidos, a desmascarar teorias da conspiração, à procura dos factos, de provas confirmadas, de mais conhecimento, da verdade que te escapa sobre o que verdadeiramente está a acontecer.

E podes dar por ti a lutar contra a ignorância, a dos outros e a tua. E podes dar por ti a combater os racistas e os egoístas e todos aqueles que não enxergam mais do que uma verdade. E podes dar por ti a lutar contra ti mesmo. E podes dar por ti a dar o teu melhor para não te deixares confundir, para não te deixares deprimir, para não te deixares melindrar pelo pânico. E pode dar por ti a perceber que a tarefa é impossível; ainda que sejas forte, vais sentir-te confuso e deprimido e estrangulado pelo pânico. “E sentir-te-ás tentado a perguntar, bem, como é que aqui cheguei?”* e podes dar por ti a rastrear a origem do vírus, a perguntar a ti mesmo como é que tudo isto é possível; como é possível que o número de casos confirmados, que o número de mortes se tenham multiplicado por mais de mil num único mês. E podes dar por ti a receber mensagens de pessoas que estão no olho da tempestade a dizerem-te que é ainda pior, que a realidade é mais trágica, que não restam camas vazias e apenas os casos mais graves estão a ser aceites nos hospitais e todos os outros são enviados para casa e muitos deles, em desespero, saltam para o Yangtze para não ter que levar o vírus para casa e contaminar aqueles que mais amam. Podes dar por ti a conhecer alguém que foi infectado e a ser aprisionado numa unidade hospitalar qualquer e depois disso deixas de receber notícias dele. E podes dar por ti a pensar sobre este país gigantesco onde não falta dinheiro e onde não existem recursos para combater a pandemia. E podes dar por ti isolado, arredado dos outros, forçado a permanecer em casa e a proteger-te a ti e a todos os outros. E podes dar por ti na companhia de 1400 milhões de outras pessoas, fechado em casa, sem fazer outra coisa que não resvalar para uma espiral de medo. E podes dar por ti a pensar em fugir para outro  lugar, algures onde a esperança ainda tenha significado. E podes dar por ti  a pensar no quão frágil és, no quão frágil todos somos, em como este desastre se transformou de repente numa catástrofe fabricada pelo homem por causa da irresponsabilidade de alguns. E podes dar por ti a vaguear durante horas numa cidade onde está tudo encerrado, uma cidade sem carros nas estradas e pessoas nas ruas e onde apenas os semáforos parecem despertos para a vida. E podes dar por ti incapaz de viver numa cidade fantasma com mais de 25 milhões de pessoas enfiadas em casa, num país fantasma onde há trinta outras cidades enclausuradas.

Fotografia: José Drummond

E podes dar por ti incapaz de viver numa cidade fantasma com mais de 25 milhões de pessoas enfiadas em casa, num país fantasma onde há trinta outras cidades enclausuradas.

E podes dar por ti a compreender que não se trata de uma película de ficção científica ou de qualquer série sobre zombies no Netflix: isto está mesmo a acontecer e tu és parte disso. E podes dar por ti a descobrir que a realidade supera a ficção. E podes dar por ti num país que se desfaz e entra em colapso. E podes dar por ti a pensar que isto pode muito bem não ser mais do que a ponta do icebergue e que nunca te ofereceste para te deixares enredar neste tipo de matriz. “E podes dar por ti a perguntar, como vou resolver isto? (…) E podes dar por ti a dizer a ti mesmo, Esta não a minha esplêndida casa! E a dizer a ti mesmo,  Esta não é a minha lindíssima esposa! * E podes dizer a ti mesmo, este não sou eu. E podes dar por ti assoberbado pela fúria, a odiar os políticos, os funcionários, os burocratas, a corrupção, o sistema, o regime e todos os sem-vergonha que, por uma razão ou a outra, estão por detrás do horror desta situação. E poderás dar por ti a amar as pessoas, os simples e os inocentes, que não têm culpa alguma pelos erros e pela falta de transparência. E podes dar por ti a amar os médicos e as enfermeiras, os que trabalham sem descanso para salvar vidas, os que se posicionam na linha da frente, unidos no combate contra esta praga. E pode dar por ti a querer abraçar toda esta gente e a não poderes. E podes dar por ti derrubado pela dor por causa da injustiça e do amargo fado que paira sobre o destino de todos e de cada um neste país. “E podes perguntar a ti mesmo, Estou certo? Estou errado?” * E podes dar por ti a chorar. E a perguntar a ti mesmo, quando é que tudo isto tem um fim? “E sentir-te-ás tentado a perguntar, bem, Como é que aqui cheguei?” *

*Once in a Lifetime”, dos Talking Heads.

José Drummond, artista plástico português, reside em Xangai, onde testemunhou ao longo das últimas semanas a “fantasmização” – phantomisierung – da capital económica da China perante a ameaça do novo coronavírus.

1 Comment

  1. Ja dou por mim a fazer todas essas perguntas, e a tentar perceber se tudo isto nso e a tentacao dos demonios do capitalismo, comecando pela Xina e asfixiando as economias a moda de Trum, e, os seus correlegionarios em outraspartes do mundo e capitalismo global. Nao sei se o comentario serve para alguma coisa , mas todos os dias me apetece fugir do mundo que se instala e que nos definha.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.