Senegal proibiu homossexualidade por “especificidade cultural”, sustenta presidente do país

President Jacob Zuma and President Macky Sall attending the South Africa-Senegal Business Forum held today, 24 October 2017, at the Cape Town International Convention Centre following the Senegal State Visit to South Africa in Cape Town. South Africa and Senegal enjoy cordial bilateral political, economic and social relations underpinned by strong historical ties dating back to the years of the liberation struggle. 24/10/2017 PHOTO: Kopano Tlape GCIS

O Presidente senegalês, Macky Sall, defendeu na quarta-feira que a proibição da homossexualidade no Senegal resultava da especificidade cultural do seu país e não tem “nada a ver” com a homofobia.

As declarações de Sall foram feitas durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, que evocou o assunto “brevemente” com o dirigente senegalês.

Sall confirmou que a questão tinha sido abordada nas suas conversações: “Só que as leis do nosso país obedecem a normas que são o condensado dos nossos valores de cultura e civilização”, disse. “Isto não tem nada a ver com a homofobia”, acrescentou.

“Estou sempre a defender os direitos humanos e falo sempre desses assuntos onde quer que vá”, afirmou Trudeau. “O Presidente Macky Sall conhece muito bem as minhas perspectivas sobre o assunto, a propósito do qual falámos brevemente”, acrescentou.

Em contrapartida, considerou o Senegal “um líder em matéria de democracia, em termos de valores”.

Trudeau está a promover a candidatura do seu país a um lugar de membro não permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

Os votos dos países africanos são preciosos para este fim.

Antes de ter chegado na segunda-feira ao Senegal, Trudeau esteve na Etiópia, por ocasião de uma cimeira da União Africana. O Presidente senegalês manifestou-lhe apoio.

Durante a sua permanência no Senegal, Trudeau abordou os temas da inclusão das mulheres e raparigas, incluindo a participação nas missões de manutenção de paz, a situação no Sahel, as trocas comerciais, a ajuda ao desenvolvimento e a crise climática.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.