O que há num nome? OMS procura designação sem estigmas para o coronavírus

Para não estigmatizar Wuhan – a cidade a partir da qual o novo coronavírus se espalho pelo mundo – nem os cidadãos chineses, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está a avançar com cautela no processo de eleger um nome definitivo para o um vírus que já matou 811 pessoas e infectou mais de 37 mil.

O nome provisório da agência especializada da ONU para o vírus responsável pela emergência internacional de saúde é “2019-nCoV”. A designação combina o ano em que o vírus foi identificado e “nCoV” com “novo coronavírus”, a família do vírus ao qual pertence: “Vemos como muito importante encontrar um nome provisório para que nenhum lugar fosse associado à sua denominação”, disse Maria Van Kerkhove, chefe da unidade de doenças emergentes da OMS em Genebra na sexta-feira.

“Tenho certeza de que todos viram muitas notícias da imprensa que se referem a ele mencionando Wuhan ou a China. Queremos garantir que não há estigma”, acrescentou a responsável uma reunião do comité executivo da organização.

No sábado, a China anunciou que vai denominar provisoriamente a doença de “pneumonia do novo coronavírus” e usar o acrónimo NPC (Novel Coronavirus Pneumonia) para designar a infecção.

A decisão final sobre o nome será tomada numa questão de dias e cabe à OMS e aos especialistas do Comité Internacional de Taxonomia de Vírus, responsável pela classificação de novos agentes infecciosos de natureza viral. No entanto, qualquer denominação implica riscos.

“Um fardo desnecessário”

De acordo com directrizes de 2015, a Organização Mundial de Saúde recomenda evitar os nomes dos lugares – como zika ou ebola –  onde as doenças foram originalmente identificadas, porque a opinião pública acaba inevitavelmente por associar os locais à epidemia.

Sylvie Briand, directora do Departamento Global de Preparação para Riscos Infecciosos da OMS, considera que o uso de uma designação geográfica constitui “um fardo desnecessário”.

Também devem ser evitados nomes mais gerais, como “gripe espanhola”, pois a designação também pode estigmatizar regiões inteiras ou grupos populacionais: “Temos que garantir que não há estigma associado à doença, e referir-nos a indivíduos sobre uma base étnica é completamente inútil e inaceitável”, considera o director de programas de emergência da OMS, Michael Ryan.

A Organização Mundial de Saúde ressalta que mesmo o uso de referências a animais pode causar confusão, como no caso do H1N1, comummente chamado de “gripe suína”, denominação com consequências negativas para todo um sector económico. No caso desta doença, em concreto, a transmissão foi sobretudo humana.

O H1N1 também chegou a ser chamado de “gripe mexicana”, o que “é algo muito agradável para o povo mexicano”, sublinha Briand.

Os nomes das pessoas – na maioria das vezes do cientista que descobriu a doença – também são proibidos, assim como os termos que podem causar “medo injustificado”, “desconhecido” ou “mortal”: “Consideramos que os nomes de algumas doenças causam reacções negativas contra comunidades étnicas ou religiosas, geram obstáculos injustificados ao deslocamento ou ao comércio ou levam ao abate desnecessário de animais”, assinala a OMS nas suas recomendações.

Pelo contrário, a organização aconselha nomes descritivos que são curtos e fáceis de pronunciar. “Tentamos ser o mais neutros possível – diz Sylvie Briand – mas também ajudamos o máximo que podemos, porque temos que dar o mesmo nome às coisas em todo o mundo se quisermos combater o inimigo da mesma maneira”, remata a responsável.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.