Hong Kong confirma dois novos pacientes infectados. Ambos estiveram em Macau

As autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong confirmaram na sexta-feira dois novos casos de contágio por um novo coronavírus que pode ser potencialmente fatal. Os novos casos elevam a contagem de casos diagnosticados na antiga colónia britânica para 26. Ambos os infectados estiveram em Macau.

O paciente, um homem de 58 anos sem historial de complicações de saúde, apresentou febre e tosse na terça-feira, enquanto estava em trabalho na vizinha cidade continental de Zhuhai. O homem regressou a Hong Kong na quarta-feira, tendo sido visto por um médico particular na quinta-feira. Como o quadro clínico se agravou, o paciente deslocou-se a uma unidade hospitalar, tendo sido internado no mesmo dia. De acordo com a emissora pública de radiodifusão de Hong Kong, o homem está hospitalizado em estado grave.

A RTHK adianta ainda que o homem esteve a trabalhar em Macau durante o período de incubação, tendo regressado a Hong Kong pela ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. O paciente tem residência em Sheung Shui e partilha a casa com um amigo, que não apresenta sintomas, mas que foi colocado pelas autoridades da RAEHK em quarentena.

O Governo da RAEHK está a pedir a dois motoristas de táxi que liguem urgentemente para a linha directa que disponibiliza. O primeiro levou o paciente a um centro comercial em Fanling por volta das 9 horas da manhã de quinta-feira. O segundo transportou o homem para o hospital, duas horas depois.

O segundo caso diagnosticado na sexta-feira na antiga colónia britânica envolve um homem de 42 anos, residente na zona de Fo Tan. O homem deslocou-se na segunda-feira ao Hospital Princípe de Gales, com febre e tosse, tendo sido internado no mesmo dia.

O paciente voou, a 22 de Janeiro, entre Shenzhen e a província de Hebei, tendo regressado ao sul da China a 26 de Janeiro, num voo com destino ao Aeroporto Internacional de Guangzhou. O homem deslocou-se a Macau no mesmo dia e foi a partir do território que regressou a Hong Kong, por via marítima.

As autoridades de saúde de Hong Kong já notificaram a Organização Mundial de Saúde, a Comissão Nacional de Saúde e as congéneres da RAEM e da vizinha província continental de Cantão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.