Extinção em massa dos zangões atribuída às alterações climáticas

Quando o investigador Peter Soroye viu pela primeira vez os números que mostravam que a população de zangões na América do Norte tinham diminuído em quase 50 por cento numa única geração, cuidou que estava perante um erro na inserção dos dados. O cenário, porém, é mesmo catastrófico e a culpa, diz o cientista, é do aquecimento global.

Soroye verificou os números  – resultantes de uma análise de longo prazo das populações de abelhões publicada no periódico científico Science na quinta-feira –  sete vezes para se certificar da sua exactidão.

O aumento das temperaturas estão a contribuir para o declínio drástico dos zangões na Europa e na América do Norte em níveis “condizentes com uma extinção em massa”, o que ameaça o processo de polinização e o consequente cultivo de alimentos, concluiu o estudo.

Os pesquisadores estimaram que a população de zangões europeus diminuíu 17 por cento entre os dois períodos que o estudo analisou, de 1901 a 1974 e de 2000 a 2014. Na América do Norte o número foi de 46 por cento.

“A última vez em que vimos um grau de extinção semelhante foi quando um asteróide atingiu a terra e matou os dinossauros”, disse Soroye, principal autor do estudo e aluno de Doutoramento na Universidade de Ottawa.

“Não creio que existam muitas dúvidas neste momento de que estamos num período de extinção em massa.”

O declínio da populações de abelhas também foi relacionado com o uso intenso de pesticidas e a perda de habitat causada pelas mudanças no uso da terra, mas Soroye disse que as alterações climáticas estão a exacerbar o efeito.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.