Coreia do Sul. Se o vírus não os separou, que nada os separe

As máscaras tornaram-se o mais recente adereço incontornável nas cerimónias de casamento realizadas na Ásia Oriental. Na sexta-feira, cerca de seis mil casais de 64 países, muitos com máscaras de protecção, disseram o “sim” na Coreia do Sul, durante um casamento colectivo organizado pela Igreja da Unificação.

A seita religiosa fundada por Sun Myung Moon decidiu manter a cerimónia, apesar dos riscos dos riscos de contágio associados ao novo coronavírus. Foram distribuídas 30.000 máscaras, mas apenas alguns dos casais decidiram usar o equipamento de protecção: “Estaria a mentir se dissesse que não estou preocupada com a epidemia”, reconheceu Choi Ji Young, uma estudante de 21 anos que conheceu o marido há dois meses por intermédio da organização religiosa. “Hoje, porém, sinto-me protegida do vírus”, afirmou.

Na Coreia do Sul, foram registados 24 casos de infecção pelo novo coronavírus, e as autoridades proibiram a entrada de cidadãos chineses e estrangeiros que visitaram a cidade de Wuhan recentemente.

Festivais, espectáculos de K-pop e cerimónias de graduação universitárias foram canceladas para combater a propagação do vírus. As autoridades também pediram às organizações religiosas que se associem aos esforços de prevenção.

Ainda assim, a Igreja da Unificação decidiu manter a cerimónia, organizada por ocasião do centenário do nascimento de seu polémico “messias” Sun Myung Moon.

A instituição argumenta que esteve a preparar o evento ao longo dos últimos quatro anos e pediu aos fiéis da República Popular da China que não viajassem para a Coreia, de acordo com um dos responsáveis.

Os recém-casados, todos vestidos de forma igual – e que, na maioria, se conheceram nas últimas semanas – participaram com entusiasmo no  evento,  organizado em Gapyeong, na zona leste de Seul.

Os casamentos colectivos, que nos primeiros anos da década de 1960 reuniam poucos casais, tornaram-se um importante símbolo da dinâmica da Igreja da Unificação, cujo fundador morreu em 2012, aos 92 anos.

Em 1997, 30.000 casais deram o nó em Washington. Dois anos depois, aproximadamente 21.000 sacramentaram os seus votos, numa cerimónia no Estádio Olímpico de Seul.

Os fiéis aceitam que a organização lhes proponha um cônjuge e devem declarar sob juramento que são virgens.

Depois de celebrada a cerimónia, os noivos devem evitar fazer sexo por pelo menos 40 dias. A Igreja da Unificação reivindica três milhões de fiéis no mundo, mas, de acordo com alguns especialistas, os seus membros seriam muito menos numerosos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.