Cazaquistão. Oito mortos e dez feridos em confrontos de natureza étnica

Pelo menos oito pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em confrontos ocorridos durante a noite de sexta-feira entre habitantes de uma aldeia no sul do Cazaquistão, anunciou este sábado o ministro do interior do Executivo cazaque.

Segundo Yerlan Tourgoumbaïev, cerca de 300 pessoas envolveram-se em rixas numa aldeia a três horas por estrada de Almati, a maior cidade do maior país da Ásia central.

As autoridades detiveram 47 pessoas envolvidas nos confrontos, durante os quais foram danificadas três dezenas de casas, viaturas e estabelecimentos comerciais, acrescentou o ministro.

Durante uma reunião de urgência do Governo na capital Nursultan, antiga Astana, o presidente, Kassym-Jomart Tokaiev, afirmou que a situação estava então sob o controlo da polícia e da Guarda Nacional.

O presidente precisou que os confrontos tiveram lugar no distrito de Kordai, na região de Jambyl, na fronteira com o Quirguistão. Nas redes sociais, imagens publicadas na noite de sexta-feira mostravam homens jovens em marcha, alguns armados com bastões, na estrada de uma aldeia rodeada por edifícios em chamas.

As autoridades não adiantaram a origem dos actos de violência, mas esta região é palco de incidentes frequentes entre a maioria cazaque e a minoria ‘dungane’, chineses muçulmanos fugidos da China no século XIX.

Num comunicado, a guarda fronteiriça do Quirguistão afirmou que a situação na fronteira com o Cazaquistão estava calma, mas salientou que o nível de alerta tinha sido aumentado.

Um taxista que viajava entre o Cazaquistão e o Quirguistão disse à AFP que a aldeia de Masanchi, no centro do conflito, tinha sido isolada pela polícia: “Está calmo, mas ninguém pode ir lá. A polícia e o exército estão no local”, disse, por telefone.

Segundo este motorista, chamado Bakytjan, o conflito começou depois de um homem da minoria ‘dungane’ ter atacado um cazaque mais velho.

De acordo o responsável de uma associação ‘dungane’, citado pela agência provada Kaztag, mais de 10 casas foram queimadas na aldeia de Masanchi “por jovens” que, segundo ele, também dispararam contra os locais.

Os líderes cazaques destacam regularmente o seu desejo de manter a harmonia entre os grupos étnicos do país, onde, segundo o ministério das Relações Externas, “mais de 100 grupos étnicos vivem em paz”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.