Hong Kong. Art Basel cancela feira de arte contemporânea

A feira de arte contemporânea Art Basel, prevista para o final de Março, na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, foi cancelada devido ao surto do novo coronavírus, anunciou esta sexta-feira a organização.

A decisão é mais uma má notícia para o presidente da República que, desde Junho passado, foi forçada a cancelar vários eventos desportivos e culturais devido a manifestações quase diárias por reformas políticas no território: “Não temos escolha a não ser cancelar a feira”, disse o presidente executivo Bernd Stadlwieser, num comunicado do grupo MCH, a empresa suíça encarregue de organizar a feira, lamentando uma decisão “extremamente difícil”.

“Analisamos todas as outras opções, incluindo o adiamento, e reunimos todos os conselhos e opiniões de proprietários de galerias, parceiros e especialistas externos”, garantiu.

A feira de arte contemporânea realiza-se anualmente na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong desde 2013, e atrai, em particular, compradores de arte de toda a Ásia, especialmente chineses.

A Art Basel assegurou que vai continuar a apostar na antiga colónia britânica e planeia voltar em 2021.

Hong Kong entrou em recessão em 2019, vítima da guerra comercial entre China e Estados Unidos e de manifestações pró-democracia marcadas por cenas de vandalismo, confrontos com a polícia e pela paralisação dos transportes.

Prevê-se que o surto originário no centro da República Popular da China, e que se alastrou a Hong Kong, levando ao encerramento de fronteiras e ligações aéreas, constituía outro golpe na actividade económica da cidade.

Hong Kong notificou Macau de que vai colocar sob quarentena todos aqueles que passarem a fronteira e que tenham estado na China continental nos 14 dias anteriores, foi anunciado.

A medida entra em vigor a partir deste sábado e além de Macau impõe a obrigatoriedade de quarentena “para todas as pessoas que tenham estado na China interior nos 14 dias anteriores à sua chegada a Hong Kong, incluindo os cidadãos de Macau”.

Na quarta, a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, tinha anunciado que os visitantes entrados na região a partir do continente chinês seriam obrigados a um período de 14 dias de quarentena, período máximo de incubação do novo coronavírus, para conter a propagação da doença.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.