Porque é que o coronavírus (quase) não afecta as crianças?

O novo coronavírus já infectou mais de 28.000 pessoas e pelo menos 563 morreram. Mas o número de crianças que  parecem ter desenvolvido sintomas graves é relativamente baixo, de acordo com os dados disponíveis até ao momento. Porque é que não há mais crianças entre as vítimas da pneumonia viral que se disseminou a partir de Wuhan? O “The New York Times” procura perceber as razões.

“A idade média dos pacientes infectados oscila entre os 49 e 56 anos”, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira pelo Journal of the American Medical Association (JAMA). “Os casos de infecção entre crianças têm sido raros.”

Mas, porque razão, então não há mais crianças a ficar doentes?

“O meu palpite, um palpite informado, é o de que os pacientes mais jovens estão a ser infectados, mas o impacto da doença é relativamente mais brando”, disse Malik Peiris, chefe do departamento de virologia da Universidade de Hong Kong, ao “The New York Times. Peiris foi responsável pelo desenvolvimento de um teste de diagnóstico para o novo coronavírus.

Os médicos e especialistas podem não estar a ser confrontados com mais crianças infectadas porque “não existem dados sobre os casos mais leves”, alertou o académico. “Se o coronavírus se espalhar pelo mundo e se espalhar tão amplamente como a gripe sazonal, provavelmente veremos mais”, acrescentou.

Num caso já analisado, um menino de 10 anos viajou para Wuhan, o epicentro do surto epidémico, com a família. Ao regressar a Shenzhen, onde moravam, os outros membros do agregado familiar que foram infectados – com idades entre os 36 e os 66 anos – desenvolveram febre, dor de garganta, diarreia e pneumonia.

A criança também apresentava sinais de pneumonia viral nos pulmões, descobriram os médicos, mas não manifestava sintomas externos. Alguns dos cientistas que ao longo das últimas semanas têm estado a investigar o novo coronavírus acreditam que o carácter assintomático das infecções seja típico do contágio entre crianças: “É muito provável que as crianças podem ser infectadas de forma assintomática ou desenvolver uma infecção muito leve”, disse Raina MacIntyre, epidemiologista da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sydney, Austrália. A especialista está a estudar os padrões de propagação do novo coronavírus.

De certo modo, esse padrões são similares aos observados durante os surtos de SARS e MERS, dois dos coronavírus mais devastadores. As epidemias de MERS na Arábia Saudita em 2012 e na Coreia do Sul em 2015 mataram mais de 800 pessoas. A exemplo do que agora sucede, a maioria das crianças infectadas nunca apresentou sintomas.

Não houve uma única criança entre as vítimas da epidemia de SARS em 2003, e a doença vitimou sobretudo pessoas com mais de 45 anos, com os homens a encabeçar os grupos naquele escalão etário a encabeçar os grupos de maior risco.

Entre os mais de 8.000 casos de SARS, os investigadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças identificaram um total de 135 crianças infectadas em relatórios publicados.

Crianças com menos de 12 anos eram muito menos propensas a serem admitidas em unidades hospitalares ou a precisar de oxigênio ou de outras formas de tratamento, descobriram os especialistas. Crianças com mais de 12 anos apresentavam sintomas semelhantes aos dos adultos: “Não entendemos completamente o motivo desse aumento de gravidade em relação à idade”, disse Peiris. “Mas isso também é visível agora. E com o SARS, era perceptível de uma forma muito nítida.”

Não é incomum que os vírus desencadeiem infecções leves em crianças e doenças muito mais graves em adultos. A varicela, por exemplo, pode ser amplamente inconsequente em crianças, mas ter um impacto catastrófico nos adultos.

A gripe é uma patologia incomum, na medida em que evoluiu com o ser humano ao longo de milhares de anos e infecta milhões em todo o mundo, independentemente da idade. Ainda assim, embora milhares de crianças pequenas acabem nos hospitais todos os anos com gripe, apenas uma pequena percentagem delas morre, assinala Peiris.

Os adultos podem ser mais susceptíveis porque são mais propensos a desenvolver outras complicações, como a diabetes, pressão alta ou doenças cardíacas. A ocorrência destes problemas enfraquece a capacidade dos pacientes de evitarem infecções.

A imunidade inata do corpo, que é fundamental para combater infecções provocadas por vírus, também se deteriora com a idade, acentuando-se após a meia-idade: “Algo ocorre aos 50 anos”, disse MacIntyre. “A imunidade diminui e diminui de forma exponencial, e é por isso que, a maioria das infecções, têm uma maior incidência em idosos”.

Uma interrogação importante no que toca ao novo coronavírus é se as crianças infectadas e assintomáticas são capazes de transmitir o vírus a outras pessoas: “Sabemos que os jovens em geral – não apenas as crianças, mas os jovens e os adolescentes – têm os níveis de contacto mais intensos a nível social”, afirmou MacIntyre. Os jovens que não percebem que estão doentes podem contribuir para a intensificação da epidemia, defende a especialista.

Para entender completamente o surto epidémico, MacIntyre e outros cientistas necessitam de dados detalhados: precisam de saber quando as pessoas foram expostas ao vírus pela primeira vez, quando começaram a mostrar sintomas, quantas e quais pessoas apresentam sintomas leves em contraposição com consequências mais graves.

Com dados detalhados, algumas observações, como a que dá conta da aparente maior incidência de infecções nos homens, podem mudar. Ainda assim, Mark Denison, especialista em doenças infecciosas pediátricas da Universidade Vanderbilt, em Nashville, admite que não espera ver um aumento repentino nas crianças infectadas: “É difícil para mim imaginar que exista um grau de subnotificação de doenças clínicas em crianças tão elevado que estejamos ao corrente de apenas dois ou três casos”, defende o especialista. “Acho, isso sim, que significa que há muito, muito menos crianças” infectadas na China, constata Denison, “e que elas não correm tanto risco”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.