“Um país, dois sistemas” é a fórmula certa contra “reviravoltas momentâneas”, diz Pequim

O director do Gabinete de Ligação do Governo central no território instou esta sexta-feira a região “a persistir” na fórmula ‘Um país, Dois sistemas’, para que não se deixe abalar por “reviravoltas momentâneas” ou “interferências externas”.

Num discurso durante uma recepção alusiva ao festival de primavera de 2020 do gabinete de ligação do Governo central em Macau, Fu Ziying sublinhou que é necessário “manter a confiança” e insistir na aplicação do princípio que garante a Macau e a Hong Kong um elevado grau de autonomia a nível executivo, legislativo e judiciário.

Sem especificar as “reviravoltas momentâneas” ou as “interferências externas”, as palavras de Ziying são proferidas no contexto da crise política em Hong Kong, da guerra comercial EUA/China e dias depois de a líder pró-independência de Taiwan, Tsai Ing-wen, ter sido reeleita.

Pequim continua a rejeitar Taiwan como uma entidade política soberana e ameaça usar a força para reunificar o território, se necessário. Os protestos anti-governamentais em Hong Kong duram desde o início de Junho e milhares de manifestantes foram detidos. Entre as exigências dos manifestantes, estão reformas políticas que conduzam a eleições livres no antigo território britânico.

No mesmo almoço, e acompanhado do líder do Governo de Macau, Ho Iat Seng, que tomou posse em 20 de Dezembro, o director do Gabinete de Ligação disse ser preciso “salvaguardar a favorável situação de estabilidade e prosperidade de Macau”, encorajando, por isso, a “diversidade da economia” do território, altamente dependente do jogo.

Por fim, e servindo-se do lema ‘amar a pátria e amar Macau’, o responsável afirmou que a RAEM deve “aumentar constantemente as forças patrióticas e promover a educação da juventude”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.