Ritmo de expansão do comércio chinês abranda. Guerra comercial é a culpada

O comércio externo chinês aumentou 3,4 por cento em 2019, para o equivalente a 4,12 biliões de euros, uma desaceleração de 6,3 por cento, face ao ritmo de crescimento homólogo registado no ano anterior, reflectindo o impacto da guerra comercial com Washington.

Os dados divulgados esta quinta-feira pela Administração Geral das Alfândegas revelam que as exportações cresceram cinco por cento, no ano passado, para 17,23 biliões de yuan (2,24 biliões de euros), enquanto as importações subiram 1,6 por cento, para 14,31 biliões de yuas (1,86 biliões de euros).

O ‘superavit’ comercial aumentou 25,4 por cento para 2,92 biliões de yuas (380.292 milhões de euros).

Embora a taxa de crescimento tenha sido menor do que nos dois anos anteriores, o volume total do comércio, incluindo as importações e exportações, registaram números nominais recordes em 2019.

Mas o abrandamento no ritmo da expansão do comércio chinês reflecte uma prolongada guerra comercial com os Estados Unidos da América: as trocas entre os dois países caíram 10,7 por cento, para 3,73 biliões de yuans (486.434 milhões de euros).

Os governos dos dois países impuseram taxas alfandegárias sobre o equivalente a centenas de milhares de milhões de euros de bens importados um do outro, numa guerra comercial que começou no Verão de 2018, mas que se agravou ao longo deste ano.

As exportações chinesas para os EUA contraíram 8,7 por cento, para 2,89 biliões de yuan (375.711 milhões de euros), enquanto as importações chinesas de bens norte-americanos sofreram caíram 17,1 por cento, para os 845.380 milhões de yuans (110.082 milhões de euros).

Enquanto o comércio com os Estados Unidos diminuiu, a China ampliou as suas trocas com a União Europeia em 8 por cento, especialmente com o Reino Unido (+ 12 por cento), com os países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), em 14,1 por cento.

O país asiático aumentou ainda as trocas com os países da América Latina, em 8 por cento , e com África, em 6,8 por cento.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.