Grupo chinês coloca obrigações em Macau a pensar na Lusofonia

^

Um grupo estatal chinês admitiu na quarta-feira a cotação de obrigações em Macau, com o objectivo de ajudar a cidade a desenvolver serviços financeiros entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa.

De acordo com um comunicado da Chongwa (Macao) Financial Asset Exchange, a empresa que gere uma plataforma financeira sediada em Macau, a Nanjing Southeast State-Owned Assets Investment Group colocou à venda títulos no valor de mil milhões de yuan (130,1 milhões de euros).

O presidente da Nanjing Southeast, Li Bin, disse durante a cerimónia que o dinheiro seria usado para criar uma zona de comércio livre na cidade de Nanjing, capital da província de Jiangsu. Ran Hua, o vice-presidente da câmara municipal de Nanjing, esteve presente na cerimónia realizada em Macau.

Li Bin expressou também o desejo de que a admissão das obrigações possa apoiar o desenvolvimento em Macau de serviços financeiros entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa, assim como a consolidação de um mercado de obrigações.

De acordo com o comunicado, a Nanjing Southeast, que se dedica à reabilitação urbana e construção de infra-estruturas, vai pagar aos investidores 4,6 por cento ao ano até 2029.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.