Concurso de tradução chinês- português distribui prémios no valor de 50 mil euros

A organização do 4.º Concurso Internacional de Tradução Chinês-Português espera mais de 150 equipas de tradução nos países da lusofonia, na disputa por prémios na ordem dos 50 mil euros, segundo Zhang Yunfeng, do Instituto Politécnico de Macau.

A quarta edição do concurso foi na quinta-feira apresentada em Lisboa, pela primeira vez fora de Macau, com o objectivo de atrair mais equipas participantes, não apenas de Portugal, mas de outros países de língua portuguesa, sublinhou o mesmo responsável em declarações à  agência Lusa.

O concurso é organizado pelo governo de Macau e pelo Instituto Politécnico de Macau (IPM). O valor do primeiro prémio é de 140 mil patacas (15.760 euros) para a equipa vencedora, com 100 mil patacas (11.257 euros) entregues aos dois ou três alunos que cada equipa pode no máximo ter, e 40 mil patacas (4.500 euros) destinadas ao professor orientador.

As equipas vencedoras do segundo e terceiro prémios recebem respectivamente 105 mil patacas (11.820 euros) e 70 mil patacas (7.880 euros) e está ainda prevista a atribuição de várias menções honrosas com valores que vão até às 68 mil patacas (7.655 euros).

Para além do valor dos prémios, o Instituto Politécnico de Macau convida anualmente muitas equipas com traduções com qualidade para se reunirem em Macau na cerimónia de atribuição dos prémios, prevista para Julho.

A participação realiza-se através da Internet (no endereço www.ipm.edu.mo) e é aberta a estudantes de cursos de tradução ou relacionados com a tradução de instituições de ensino superior de Macau, do interior da República Popular da China, dos países de língua portuguesa ou mesmo de outros países que possuam cursos de licenciatura em tradução chinês-português ou áreas relacionadas com a tradução.

“O nosso concurso é um concurso mundial. Nas três primeiras edições tivemos participantes de Portugal, e a primeira edição foi mesmo ganha por uma equipa portuguesa da Universidade do Minho. Desta vez, quisemos divulgar o concurso mais no mundo lusófono, para termos mais equipas participantes, não apenas do Brasil, mas de outros países de língua portuguesa”, indicou Zhang Yunfeng, director do Centro de Ensino e Investigação do Instituto Politécnico de Macau.

Macau atribui uma “grande importância” à iniciativa, que se enquadra na sua estratégia de constituir-se enquanto “plataforma para as relações entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa” no quadro do megaprojeto da diplomacia económica chinesa “Uma faixa, Uma rota”: “Macau está a construir um centro de formação de falantes bilingues chinês-português. Este concurso é para nós muito importante. Gostaríamos de reunir participantes bilingues chinês-português do mundo inteiro em Macau para podermos trocar opiniões e contribuir para a formação de quadros bilingues”, afirmou Yunfenq.

O dirigente do IPM acrescentou: “O número de equipas participantes ao longo das três últimas edições do concurso ascende a mais 380, tem vindo sempre a crescer, de edição para edição, e este ano posso prever que mais de 150 equipas terão assinado o formulário de inscrição no dia 31 deste mês, último dia do prazo de participação”.

O Instituto Politécnico de Macau assinou ainda um protocolo de cooperação com Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), entendido como “o passo lógico no aprofundamento das relações” entre as duas instituições “em que a questão da língua tem um papel muito relevante”, segundo Pedro Dominguinhos, o presidente do CCISP, em declarações à Lusa.

“Nos últimos anos, várias instituições do CCISP reforçaram as relações quer com o IPM quer com várias instituições chinesas no âmbito do projecto “Uma faixa, Uma rota”. Macau tem aqui esse papel de ser uma plataforma de aproximação entre a China e o mundo lusófono. Para nós é essencial o aprofundamento destas relações”, afirmou Pedro Dominguinhos.

Segundo o presidente do CCISP, este protocolo “tem um papel essencial no reforço da investigação científica e na elaboração de projectos em conjunto”.

“Esperamos em muito breve prazo, ainda este ano, poder realizar uma reunião em Macau entre o IPM e CCISP para discutir projectos conjuntos concretos”, adiantou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.