Portugal. Empresário chinês acusado de autoria moral de incêndio que matou uma pessoa

Um empresário de nacionalidade chinesa está a ser julgado em Portugal pela autoria moral de um incêndio que matou uma pessoa e deixou três outras desalojadas no Porto em Março  do ano passado. Chenlong Li, de 24 anos, terá ordenado que o edifício fosse incendiado para forçar a saída dos inquilinos de um dos três pisos do prédio.

Quando Chenlong Li adquiriu, em 12 de Dezembro de 2016, o velho edifício onde Maria Mendes Oliveira morava, na Rua Alexandre Braga, paredes meias com o Mercado do Bolhão, estava longe de imaginar que o prédio, de três pisos, poderia abrir-lhe as portas de uma prisão portuguesa.

O edifício ardeu a 2 de Março do ano passado. O incêndio matou um homem de 55 anos e deixou Maria Mendes de Oliveira – na altura com 87 anos – e dois dos seus filhos sem tecto. A idosa morava no vetusto prédio há mais de meio século, pagava uma renda mensal de 53,28 euros e ter-se-ia recusado por mais de uma ocasião a aceder à pressão exercida pelos representantes de Chenlong Li para que deixasse o imóvel.

As chamas que destruíram o prédio a 2 de Março tiveram, tudo indica, origem criminosa e o Ministério Público português sustenta que o responsável moral pelo incêndio é, nem mais, nem menos que o empresário chinês. Esta é, de acordo com o jornal Expresso, a tese que sustenta a acusação do processo. O caso tem ainda como arguidos três indivíduos de nacionalidade portuguesa e a mulher do empresário.

O despacho de acusação acusa Chenlong Li de ter tentado forçar a saída de Maria Mendes Oliveira e dos restantes inquilinos do terceiro andar do prédio.

Os trâmites das leis do arrendamento, que estipulam que só por acordo é que o contrato de arrendamento poderia ser desfeito, complicaram os planos ao empresário chinês. Chenlong Li propôs-se negociar, mas a família Oliveira recusou todas as propostas, que terão chegado aos 40 mil euros. O Ministério Público sustenta que o empresário chinês terá, então, enviado três indivíduos para intimidar os inquilinos do prédio.

O incêndio, que acabou por matar um homem de 55 anos, terá sido um dos muitos estratagemas utilizados para forçar Maria Mendes de Oliveira e os familiares a sair do prédio.

 Li encontra-se em prisão preventiva desde Junho, mas o facto de estar atrás das grades não o impediu de vender o imóvel através de uma procuração passada à mulher, revela o “Jornal de Notícias” esta quinta-feira. O empresário chinês adquiriu o imóvel por 645 mil euros. O prédio foi entretanto vendido a uma empresa portuguesa por 1,2 milhões de euros.

Da cadeia, o empresário tentou enviar 600 mil euros para a República Popular da China, mas o Millennium BCP comunicou ao Ministério Públicou suspeitas de branqueamento de capitais. Os movimentos bancários foram suspensos e a quantia apreendida.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.