Japão. Toyota quer construir a cidade do futuro

A multinacional japonesa Toyota surpreendeu na segunda-feira com o anúncio de que tenciona construir uma cidade industrial para os seus empregados no Japão, adaptando-a ao século XXI na forma de cidade totalmente digital.

Em vez de apresentar novos veículos ou progressos tecnológicos para as viaturas, o presidente da Toyota Motor, Akio Toyoda, usou o palco que lhe propiciou a sua intervenção na feira CES de electrónica de consumo, que está a decorrer em Las Vegas, no estado do Nevada, para apresentar este projecto.

“Construir uma cidade inteira desde zero é uma oportunidade única para desenvolver tecnologias do futuro, incluindo um sistema operativo digital para a infra-estrutura”, indicou Toyoda, que explicou que “cidadãos, edifícios e veículos” vão comunicar entre si, através de dados e sensores.

A cidade, que já foi baptizada pelo conglomerado industrial como ‘Woven City’ (Cidade Interligada), vai ser construída nos terrenos de uma antiga fábrica da empresa no Japão, com vista para o icónico monte Fuji, e vai ter uma população composta por empregados do grupo e as respectivas famílias, bem como por investigadores visitantes e parceiros comerciais.

Na total, a Toyota espera que a ‘Woven City’, cuja construção deve começar em 2021, tenha uma população de cerca de duas mil pessoas e que constitua um “laboratório vivo”.

A cidade vai ser um campo de teste de novas tecnologias, como veículos eléctricos e completamente autónomos, tanto de transporte de passageiros como de mercadorias (não vai ser permitida a circulação de veículos com condutor), os robôs, a domótica e a inteligência artificial.

Os encarregados de desenhar a cidade vão ser os arquitectos do gabinete dinamarquês Bjarke Ingels, que adiantaram na segunda-feira algumas informações sobre como imaginam ‘Woven City’.

A localidade vai ter três tipos de vias: só para veículos rápidos, para veículos lentos e peões, e reservadas exclusivamente a peões. Estas últimas vão ter vegetação do princípio ao fim, como parques extensos.

Segundo os seus desenhadores, a cidade vai ser “completamente sustentável”, os edifícios vão ser de madeira, para minimizar a pegada de carbono, e os telhados vão ter placas fotovoltaicas, para aproveitar a energia solar.

Nas habitações, os robôs vão ser omnipresentes e vão existir sensores para controlar a saúde dos residentes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.