Hong Kong entra em 2020 sob o signo do protesto

Milhares de manifestantes na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong formaram gigantescas correntes humanas e marcharam por centros comerciais na véspera de Ano Novo, pedindo às pessoas que não abdiquem da luta pela democracia em 2020. Centenas de agentes das forças de seguranças estiveram de serviço um pouco por todo o território para reprimir qualquer agitação.

As autoridades da antiga colónia britânica cancelaram o popular espectáculo de fogo-de -artifício à meia-noite pela primeira vez em uma década, evocando preocupações de segurança. Em alternativa, foi projectada uma sessão especial do espectáculo “Sinfonia de Luzes”, envolvendo projeções nos arranha-céus mais altos da cidade após a contagem regressiva para as boas-vindas ao novo ano.

“Este ano não há fogo-de-artifício, mas provavelmente haverá gás lacrimogéneo parq compensar”, disse Sam, informático de 25 anos. “Para nós, não se trata realmente da véspera de Ano Novo. Temos que resistir todos os dias.”

Ao cair da noite, milhares de manifestantes mascarados, muitos vestidos de preto, reuniram-se na zona da Baía de Victoria, onde formaram longas correntes humanas.

Dezenas de manifestantes colocaram flores perto da estação de metro de Prince Edward, palco de alguns dos confrontos mais violentos com a polícia registados no Verão.

Os protestos começaram em Junho em resposta a um projecto de lei, agora retirado, que deveria permitir extradições para a República Popular da China, onde os tribunais são controlados pelo Partido Comunista, mas acabaram por evoluír para um movimento pró-democracia mais amplo.  

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.