“Messiah”. Nova série da Netflix ainda não estreou e já causa polémica

Um profeta que anuncia o ressurgimento do Estado Islâmico na Síria, um tiroteio no Monte do Templo, em Jerusalém e… possivelmente a vinda do Messias. Ainda não estreou, mas há uma nova série da Netflix a causar polémica, depois do colectivo brasileiro Porta dos Fundos ter espoletado críticas e ataques no Brasil.

“Messiah” segue a história de um misterioso líder religioso que emerge no Médio Oriente e é  perseguido pela CIA, a poderosa agência de espionagem norte-americana.

“Sim é provocativa, a série é provocativa”, declarou à AFP o criador Michael Petroni. “Mas provocativa não é ofensiva”.

“Messiah”, que estreia no dia 1 de Janeiro na plataforma de streaming, imagina como a sociedade moderna reagiria ao aparecimento de uma figura religiosa desta natureza, num mundo em que as mensagens se espalham rapidamente pelas redes sociais e as “fake news” se prefiguram como um desafio à credibilidade dos conteúdos.

A acção decorre no Médio Oriente e nos Estados Unidos da América. Os personagens, como a obstinada agente da CIA interpretada por Michelle Monaghan, vão do inglês ao hebraico, passando pelo árabe, às vezes na mesma conversa.

E a pergunta se a figura central da série – interpretada pelo ator belga Mehdi Dehbi – é um messias genuíno, um nefasto agente político ou simplesmente um trapaceiro está no coração da narrativa.

Petroni afirma que a série tem como como objectivo provocar um debate na perspectiva do “ponto de vista do outro”.

“Estamos à espera que a série origine muita discussão e muito debate. Espero um debate aceso”, insiste Petroni, antes de destacar que a série “não procura ofender nem julgar ninguém”

Numa campanha no site Change.org já é pedido o boicote do programa, descrito como “propaganda maligna e anti-islâmica”, embora a série nunca especifique a que religião pertence o enigmático líder, que os demais personagens chamam de “Messias” e “Al-Masih”, entre outros nomes.

 “Muito cuidadosos”

Petroni admite que a Netflix ficou “nervosa” quando a ideia da série lhe foi apresentada: “Era um conceito muito audacioso”, destaca. “Quem lê o guião fica estupefacto com o facto deste tipo atravessar com 2.000 sírios palestinos a fronteira de Israel”, revela Petroni.

A proposta também incluía a construção, com um custo considerável, de uma réplica em escala parcial do Monte do Templo – o local mais sagrado do judaísmo -, incluindo a Mesquita de Al-Aqsa, de onde os muçulmanos acreditam que o profeta Maomé terá subido ao céu.

Filmar no local sagrado nunca foi uma possibilidade, particularmente pela natureza violenta da cena que aparece no segundo episódio da série.

As cenas do Médio Oriente foram rodadas na Jordânia e nos Estados Unidos, o que representou um desafio adicional.

Outras séries americanas, como “Homeland”, enfrentaram barreiras culturais e linguísticas, o que gerou críticas pela representação da região e dos muçulmanos.

Na nova série, por exemplo, numa cena filmada em Berlim um comandante do Hezbollah escolta a protagonista por um suposto campo de refugiados sírios, no qual alguém pintou em árabe a frase “‘Homeland’ é racista”.

O primeiro trailer de “Messiah”, divulgado no início do mês, foi ridicularizado por muçulmanos, que lembraram que o nome “Al-Masih” é utilizado na teologia islâmica por Dajjal, um falso profeta comparável ao Anticristo.

A Netflix respondeu que este “não é o nome do personagem” e que os detalhes da narrativa ainda estão sob embargo.

Petroni, um australiano cujo pai foi criado no Egitpto, não fala árabe, bem como os vários realizadores que assinam os episódios, o que exigiu a contratação de uma equipe experiente e confiável de tradutores e especialistas nos vários dialectos do árabe: “Fomos muito cuidadosos”, garantiu Petroni.

Em 2018, o colectivo humorista  brasileiro “Porta dos Fundos” lançou um episódio alusivo à época natalícia. Intitulado “Se Beber, Não Ceie”, foi um sucesso enorme, tendo sido premiado com um Emmy. Este ano, Fábio Porchat e Gregório Duvivier, entre outros, decidiram repetir a experiência, mas com contornos diferentes, que estiveram na origem de uma enorme contestação: “A Primeira Tentação de Cristo” gerou uma turbulência assinalável e a sede da “ Porta dos Fundos” foi mesmo atacada por um grupo de extrema direita. A razão: Jesus Cristo é retratado pelo grupo como gay.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.