Jogo representou mais de 90 por cento das receitas das operadoras em 2018

O jogo representou em 2018 mais de 90 por cento  das receitas das concessionárias, de acordo com um relatório esta sexta-feira divulgado pelas autoridades dedicado à análise do desenvolvimento da diversificação da economia do território.

“Em 2018 as receitas totais das seis concessionárias cifraram-se em 335,34 mil milhões de patacas [37,44 mil milhões de euros], das quais 90,03 por cento eram provenientes das actividades do jogo e 9,97 por cento das receitas das actividades não relacionadas com o jogo”, pode ler-se no documento.

Ambas as actividades cresceram mais de 13 por cento em relação ao mesmo período de 2017.

No que respeita às actividades não jogo, as receitas provenientes do alojamento das concessionárias de exploração dos jogos de fortuna ou azar detiveram o maior peso, representando 42 por cento em 2018, seguindo-se o comércio a retalho e o aluguer de instalações.

Já do ponto de vista da estrutura sectorial de Macau, calculada pelo valor acrescentado, o jogo continua a ser “predominante na economia de Macau”. Contudo, “com a grande prosperidade (…) do jogo, outros principais setores não jogo têm-se desenvolvido bastante nos últimos anos”, sublinhou-se no relatório.

De resto, entre 2015 e 2018, as receitas dos principais sectores não jogo aumentaram 6,8 por cento, passando de 359,08 mil milhões de patacas (40 mil milhões de euros) em 2015 para 383,43 mil milhões de patacas (42,8 mil milhões de euros) em 2018.

Se o jogo registou uma subida nas receitas de 30,6 por cento na área dos serviços, os três sectores não jogo que registaram crescimentos mais acentuados nas receitas foram os hotéis e similares (+43,2 por cento), as actividades financeiras (+29,2 por cento) e as actividades imobiliárias e serviços prestados às empresas (+25,5 por cento).

No relatório concluiu-se que tanto no que respeita às receitas, como ao valor acrescentado, “constata-se uma evolução favorável, quer no sector do jogo, quer nos outros principais sectores não jogo”.

O mesmo documento apontou que, em 2018, “o valor acrescentado bruto das actividades financeiras, da indústria de convenções e exposições, das indústrias culturais, bem como da medicina tradicional chinesa atingiram 35,33 mil milhões de patacas [3,9 mil milhões de euros], mais 36,5 por cento face a 2015”.

Os dados divulgados confirmaram ainda a dependência de Macau em relação ao mercado turístico do interior da China. Em 2018, mais de 90 por cento do total de visitantes chegados a Macau eram oriundos do interior da China, de Hong Kong e de Taiwan. Mas, destes, 70,6 por cento são do interior da China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.