Equipa de reportagem da RTP retida e interrogada na fronteira

Uma equipa de reportagem da RTP, que se deslocou a Macau para efectuar a cobertura das celebrações dos 20 anos da transferência de administração entre Portugal e a República Popular da China, foi interrogada por duas ocasiões pelas autoridades do território, noticiou esta sexta-feira a emissora em língua portuguesa da Rádio Macau. A informação foi confirmada ao Expediente Sínico por um dos profissionais portugueses.

Os jornalistas da televisão pública portuguesa chegaram à RAEM na quarta-feira, tendo ficado retidos no Terminal Marítimo do Porto Exterior durante quatro horas. A equipa acabou por ser autorizada a entrar ao fim de um longo interrogatório, mas o equipamento para efectuar directos foi apreendido pelas autoridades alfandegárias, ainda que os profissionais da RTP tenham apresentado documentação relativa à lista de material que transportavam.

A equipa de reportagem voltou a ser interrogada um dia depois, na sequência de uma deslocação a Hong Kong. Ao regressarem da vizinha Região Administrativa Especial, onde se deslocaram em trabalho, os dois profissionais da RTP foram interrogados pelas autoridades da antiga colónia britânica. Durante o interrogatório, que de acordo com as informações avançadas pela Rádio Macau, se prolongou por poucos minutos, os repórteres tiveram de indicar a empresa para a qual trabalham, esclarecer os objectivos da deslocação a Macau e clarificar onde se encontram hospedados.

Mais prolongado foi o novo interrogatório a que foram submetidos pelas autoridades locais. Os agentes dos Serviços de Alfândega revistaram as malas do profissionais da RTP e pediram a um dos funcionários da televisão pública portuguesa para desbloquear o telemóvel, pedido que foi recusado por se tratar de um objecto de uso pessoal.
Aos jornalistas terá sido dito que se tratou de um controlo aleatório, relacionado com o reforço das medidas de segurança por ocasião das comemorações dos 20 anos da transferência de soberania do território para a República Popular da China.

O caso levou à intervenção do cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong. Ao início da tarde, Paulo Cunha Alves disse à Rádio Macau que a situação ainda não se encontrava resolvida, mas o Gabinete do Secretário para a Segurança reiterou durante a tarde que o procedimento de que foi alvo a equipa de reportagem da RTP constitui um “procedimento normal”. O Gabinete de Wong Sio Chak garantiu ainda que o material da televisão pública portuguesa foi apreendido por não ter sido declarado, tendo sido entretanto libertado.

A Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau já reagiu. Num comunicado emitido esta tarde, o organismo liderado por José Carlos Matias pediu às autoridades locais para “respeitar a liberdade de movimentos dos jornalistas”: “Face aos recentes casos de jornalistas de fora de Macau que foram impedidos de entrar ou sujeitos a longos interrogatórios na fronteira,  a AIPIM apela às autoridades de Macau para que respeitem a liberdade de movimentos dos jornalistas e destaca a importância de garantir que a liberdade de imprensa seja mantida”,  escreve a AIPIM num comunicado divulgado esta sexta-feira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.