Índia. Nova vaga de protestos após violação e morte de jovem veterinária

A Índia foi esta segunda-feira palco de várias manifestações e debates no Parlamento que exigiram o reforço das penas por violência sexual. Os protestos materializaram-se após a recente violação em grupo e assassínio de uma jovem veterinária.

Com faixas onde se liam frases como “Pergunte, ouça e respeite”, “Que parte do ‘NÃO’ não entendeu?” ou “Não há sexo sem consentimento”, várias centenas de pessoas protestaram na segunda-feira no centro de Nova Deli pelo fim dos ataques às mulheres.

Além disso, pediram investigações “rigorosas e rápidas” de casos de violência sexual e julgamentos “rápidos e justos” para os acusados, disse à EFE a secretaria-geral da Pragatisheel Mahila Sangathan (Grupo de Mulheres Progressistas, em hindi), uma das organizações que convocaram as manifestações.

Os protestos ocorreram também em outras cidades da Índia, como Calcutá ou Hyderabad, cidade onde na semana passada ocorreu a violação em grupo e assassínio que desencadeou esta nova onda de indignação em todo o país.

A vítima, uma veterinária de 26 anos, foi enganada por quatro homens, que primeiro furaram as rodas da sua motocicleta e depois, enquanto fingiam ajudá-la a consertá-la, levaram-na à força para uma habitação onde sofreu uma violação em grupo. A mulher foi, em seguida, asfixiada, tendo posteriormente o seu corpo sido regado com gasolina e queimado.

O deputado Revanth Reddy, representante oposicionista do Partido do Congresso no estado de Telangana, da qual Hyderabad é a capital, foi um dos que participaram esta segunda-feira na manifestação de Nova Deli e publicou na sua conta no Twitter que é preciso “enforcar os culpados o mais rápido possível”.

O debate no hemiciclo do parlamento indiano também foi tenso, com pedidos contínuos de acção rápida contra os culpados, o mais exemplares possível, para impedir que actos como este acontecessem novamente: “Esse tipo de pessoa (violador) precisa ser apresentado em público e linchado”, disse a parlamentar e actriz Jaya Bachchan, do partido Samajwadi, mulher do actor de Bollywood Amitabh Bachchan.

Jaya Bachchan não foi a única a solicitar acções violentas contra os violadores: “As quatro pessoas que cometeram este crime devem ser enforcadas antes de 31 de Dezembro”, defendeu a parlamentar Vijila Sathyanath, do partido regional AIADMK. As leis contra agressões sexuais endureceram na Índia depois de uma jovem estudante universitária ter morrido após ser violada e torturada por seis homens num autocarro, em Nova Deli, em 2012. No entanto, o endurecimento da quadratura legal não evitou que outros casos continuem a ocorrer no país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.