Hong Kong regista primeiro défice orçamental em quinze anos

Hong Kong vai registar este ano o seu primeiro défice orçamental em uma década e meia, anunciou na segunda-feira o secretário das Finanças. A antiga colónia britânica está mergulhada numa grave crise política, tendo sido também afectadas pela guerra comercial entre a China e os Estados Unidos da América.

Paul Chan estimou que o PIB [Produto Interno Bruto] da vizinha Região Administrativa Especial contraía 1,3 por cento em 2019, o que se reflectirá no orçamento do território vizinho, que por norma regista um excedente.

O secretário atribuiu o défice para o ano fiscal 2019-2020 a uma queda na receita tributária, uma desaceleração na venda de imóveis e às ajudas anunciadas pelo Executivo local, para tentar acalmar a população.

“No final do ano fiscal, as contas da RAE estarão no vermelho”, disse Chan, citando as iniciais da Região Administrativa Especial. “A economia de Hong Kong atravessa momentos muito difíceis”, apontou. O governante pediu aos manifestantes que parem com actos violentos.

Hong Kong é há seis meses palco de manifestações, iniciadas por um projecto de lei que permitiria extraditar criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental, e, entretanto, retirado, mas que se transformou num movimento que exige reformas democráticas e se opõe à crescente interferência de Pequim no território.

Os protestos têm assumido contornos cada vez mais violentos, com actos de vandalismo e confrontos com as forças de segurança.

Dados divulgados na semana passada revelam que as visitas por turistas da China continental caíram 46 por cento, em Outubro, em termos homólogos.

A economia de Hong Kong também sofreu o impacto de uma prolongada guerra comercial entre a China e os EUA, já que a região é uma das plataformas de negociação entre o mercado chinês e os mercados internacionais.

O orçamento de Hong Kong não registava défice desde 2003, quando um surto de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) matou 300 pessoas na região.

No ano passado, o Executivo de Hong Kong registou um excedente orçamental equivalente a 16 mil milhões de euros. Membros da oposição ao Executivo denunciam que este dinheiro não é alocado na luta contra as profundas desigualdades na sociedade local.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.