Manifestações na América Latina reflectem turbulência mundial, diz investigador

As manifestações que agitam a América Latina reflectem a turbulência que também está a atingir outras regiões do mundo e os protestos têm um fundo comum, mas são desencadeados por razões distintas, disse à  agência Lusa o cientista político Andrés Malamud.

“A América Latina está a manifestar-se de uma maneira, mas não quer dizer que seja uma ilha isolada de conflitos num mundo tranquilo, que não existe”, afirmou à Lusa o cientista político Andrés Malamud, investigador do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa,

Equador, Chile, Brasil, Venezuela, Paraguai, Peru e Bolívia são alguns dos países latino-americanos que este ano passaram ou estão a passar por grandes protestos, muitas vezes violentos.

Mas também outros países do globo, como o Iraque, o Líbano e o Haiti, passaram ou estão a passar por grandes manifestações populares. Andrés Malamud lembra que os protestos na América Latina não são uma exceção e que reflectem um mundo em turbulência: “Há também zonas bem ricas no mundo que também estão a sofrer protestos e violência e isso quer dizer que o mal-estar é generalizado e global”, salientou Malamud, citando os exemplos dos protestos em Hong Kong, na China, e na Catalunha, em Espanha.

“A Catalunha também está incendiada. Então, não é apenas a América Latina”, complementou o cientista político, referindo-se aos protestos que ocorrem na Catalunha contra as penas de prisão de independentistas e o desejo de auto-determinação da região: “(Há alguns anos atrás) a América Latina viveu um período de ouro devido ao crescimento chinês, nomeadamente com a valorização das suas ‘commodities’”, o que fez a região experimentar um período de maior prosperidade, de acordo com o investigador.

Entretanto, segundo o professor, “a China deixou de crescer de 10 para 6 por cento”: “Aquela década foi extraordinária e, agora, a América Latina está a voltar a ser ao que era anteriormente, com os seus produtos de exportação a valer menos e os produtos que importam a valer cada vez mais”, disse. “A imagem que funciona aqui para entender o que se passa é de boias no mar, que sobem e descem de acordo com as ondas, mas não estão conectadas entre si”, explicou.

Segundo Malamud, “o mar é o mundo, os países da América Latina simplesmente são as boias, não estão conectadas entre si, pode haver algum contacto, alguma imitação, entretanto, na prática o que está a acontecer é global”: “Em cada país (da América Latina) a crise é despoletada de uma maneira diferente, habitualmente com aumentos nos preços dos transportes. Estes últimos estão relacionados, principalmente, com o preço do petróleo, que é fixado internacionalmente e não na região”, avaliou.

“Em cada país há um motivo para a explosão, mas o fenómeno subjacente é comum, ou seja, a falta de um crescimento global e ainda a descida dos preços das matérias-primas que os latino-americanos exportam”, explicou Malamud.

Em dois países especialmente, Equador e Chile, os protestos registaram mortos e centenas de feridos.

As manifestações contra o aumento no preço das tarifas no metro de Santiago levaram à mais recente onda de protestos violentos em várias cidades do Chile, desde o dia 19 de Outubro, que resultou em 18 mortos e 1.400 detidos, com uma grande repressão policial. O exército foi enviado para as ruas, o que aconteceu pela primeira vez desde o regime do ditador Augusto Pinochet.

O Presidente chileno, Sebastian Piñera, que havia decretado o Estado de emergência diante da gravidade da situação, acabou por recuar e suspendeu o aumento das tarifas do metro: “Depois de Piñera ter anunciado que estavam em guerra, voltou atrás e disse que não estavam, dando posteriormente aumentos salariais e implementando reduções tarifárias. O que quer dizer que a repressão não funciona, não resolve o problema. A repressão não tem a legitimidade social”, declarou Malamud. “Esta repressão dos protestos é insustentável. E, de facto, no caso do Equador, o Governo teve mesmo de deslocar a capital de uma cidade para outra e no caso do Chile, o Governo teve mesmo que recuar”, sublinhou Malamud.

O Equador enfrentou em outubro 11 dias de violentos protestos e estradas cortadas depois de o Presidente Lenín Moreno anunciar o fim de um subsídio aos combustíveis que já durava há 40 anos, como parte de um pacote de ajustamentos para cumprir as metas negociadas com o Fundo Monetário Internacional.

O Governo equatoriano decretou o estado de exceção e transferiu a sede do Governo de Quito para a cidade de Guayaquil. Entretanto, as medidas não detiveram as manifestações. Os distúrbios deixaram sete mortos, 1.340 feridos e 1.152 presos.

No dia 14 de Outubro, o Presidente Moreno, após se reunir com lideranças indígenas, anunciou que iria revogar a medida que cortava o subsídio: “Quero destacar o Uruguai que, por enquanto, é o único que é um oásis e há uma série de razões para isso. Uma delas é por ser um país em que as instituições funcionam e são legítimas”, sublinhou o cientista político.

“O outro ponto é que o Uruguai também é uma sociedade envelhecida e, como Portugal, existe um fenómeno de imigração estrutural, quer dizer que as pessoas que estão mais insatisfeitas imigram e portanto, não ficam para protestar. Vamos ver se continua assim”, avaliou Andrés Malamud.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.