Governo regista violações graves na administração e fornecimento de vacinas

A Direcção dos Serviços de Saúde indicou este sábado em comunicado que detectaram este ano violações mais graves na administração e fornecimento de vacinas em estabelecimentos privados de saúde.

O organismo conduziu inspecções em mais de um milhar de estabelecimentos e identificaram seis espaços privados que prestam cuidados de saúde “suspeitos de violar a lei”, um número que contrasta a ausência de casos registados em 2015 e 2016 e com as nove situações detectadas em 2017 e 2018: “Ou seja, em comparação com os anos anteriores, as violações registadas em 2019 foram mais graves”, pode ler-se na mesma nota.

As autoridades aproveitaram para sublinhar que “o armazenamento e o fornecimento ilegal de vacinas causam graves impactos para a saúde da população” e criticaram aqueles “estabelecimentos privados de cuidados de saúde [que] ignoram as regras e os diplomas legais existentes e assumem o risco apenas com o intuito de angariar mais clientes e mais lucros”.

Se é verdade que “a administração destas vacinas em crianças aumenta, desnecessariamente, o risco de contrair a doença, além de destruir a barreira imunitária de Macau”, as autoridades do território, contudo, acreditam “que estas situações não tenham grande impacto nos residentes”, uma vez que a maioria dos utentes onde as irregularidades foram detectadas eram do interior da China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.