Cientistas descobrem como o parasita da malaria passou dos gorilas para os humanos

Uma equipa de investigadores que ressuscitou uma sequência genética com quase 50 mil anos tentou entender de que forma a variante mais mortífera da malária foi transmitida de gorilas para humanos. A investigação oferece um vislumbre sobre as origens de uma das patologias que mais dizimaram ao longo da história da humanidade.

Os investigadores adiantam ainda que o trabalho que desenvolveram também aprofunda o entendimento de um processo conhecido como zoonose, o processo pelo qual um elemento patogénico que pode infectar animais adquire mudanças genéticas que o habilitam a contaminar humanos, como foi o caso dos agentes causadores de doenças como a gripe e o Ebola.

No caso do Plasmodium falciparum, a forma mais fatal de parasita da malária, a análise revelou que o agente patogénico ganhou a capacidade de infectar células de sangue humano a partir de uma secção de DNA que se transferiu de um parasita que afectava os gorilas.

Ao analisar a sequência de DNA crucial, os investigadores descobriram que a sequência em causa incluía um gene que produz uma proteína chamada RH5, que se liga a um receptor de proteína dos glóbulos vermelhos: “O facto de que esta proteína RH5 ancestral foi capaz de se ligar aos receptores de glóbulos vermelhos tanto de humanos, como de gorilas proporcionou imediatamente uma explicação molecular de como a Plasmodium falciparum evoluiu e ganhou a capacidade de infectar humanos”, explicou Francis Galaway, que liderou uma equipe de investigadores do Instituto Wellcome Sanger britânico e da Universidade de Montpelier francesa.

A malária é transmitida por mosquitos e contamina cerca de 216 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.