Nobel da Literatura. Academia Sueca atribui galardão em dose dupla

A Academia Sueca, que teve que adiar a entrega do Prémio Nobel de Literatura relativo a 2018 devido a um escândalo sexual registado no âmbito do movimento #MeToo, vai atribuir dois prémios esta quinta-feira, com o propósito de tentar recuperar o prestígio associado ao galardão.

O escândalo revelou os segredos no seio de uma instituição afectada por intrigas e corrupção, pondo em questão a fama de uma nação luterana construída sobre os valores da transparência, honradez e igualdade.

Após a intervenção do rei, as renúncias em cadeia, uma reforma dos estatutos e os violentos ataques formulados pela imprensa, os guardiães do templo dizem aspirar a falar apenas de literatura e nada mais do que literatura.

Como todos os anos desde 1901, os prognósticos apontam para uma série de candidatos, embora a academia guarde em segredo a intensão de voto dos seus 18 membros até serem conhecidos os resultados.

Nas apostas soam os nomes da escritora francesa Maryse Condé, nascida na ilha de Guadalupe, do autor queniano Ngugi Wa Thiong’o e da poetisa canadiana Anne Carson.

A Academia Sueca, criada em 1786 e fundada no modelo da antiga Academia Francesa, teve que adiar por um ano o anúncio do Nobel da Literatura 2018, algo sem precedentes nos últimos 70 anos de história da instituição-

A instituição não conseguiu chegar a um acordo sobre como administrar as acusações de assédio sexual de que foi alvo o francês Jean-Claude Arnault, influente personalidade da cena cultural sueca.

Casado com uma académica, Arnault recebia generosos subsídios da Academia, se vangloriava-se de ser “o 19o membro” e, de acordo com testemunhas, revelava o nome dos futuros laureados a alguns dos seus amigos.

Os académicos que integram a Academia sueca discordaram sobre a forma como deviam enfrentar a crise, num processo que causou renúncias sucessivas, entre elas a da secretária permanente Sara Danius. Jean-Claude Arnault foi condenado a dois anos e meio de prisão por violação.

O ano do consenso

Os nomes dos dois laureados do Nobel de Literatura serão revelados esta quinta feira ao início da tarde, hora de Estocolmo.

Os críticos entrevistados pela AFP avançam com alguns nomes consensuais, entre os quais o de várias mulheres. Um dos prémios poderá ir ou para a chinesa Can Xue ou para a russa Lyudmila Ulitskaya, a americana Joyce Carol Oates ou a polaca Olga Tokarczuk.

O Prêmio Nobel de Literatura foi concedido a apenas 14 mulheres entre uma centena de homens desde que foi criado, em 1901. Entre os autores do sexo masculino, destacam-se nos palpites o poeta e romancista romeno Mircea Cartarescu, o japonês Haruki Murakami ou o checo Milan Kundera, nacionalizado francês.

Para Svante Weyler, escritor e  antigo editor, a Academia Sueca e o prémio podem recuperar o seu prestígio, “mas só com uma selecção muito acertada dos laureados”.

Weyler entende que a “Svenska Akademien” optará por nomes clássicos que tenham grande reconhecimento tanto nos meios literários, como entre o público. Não deverá optar, de maneira nenhuma, por “algum que possa causar uma controvérsia política”, indica.

O jornalista e escritor francês Olivier Truc, autor de “L’Affaire Nobel” (O caso Nobel), publicado na França pela editora Grasset, indica que a instituição já foi alvo de controvérsias “quando outorgou o prémio a dois de seus membros em exercício”, referindo-se à decisão de dar o prémio em 1974 a Harry Martinsson e Eyvind Johnson.

Em 2016, a escolha do músico americano Bob Dylan também causou fortes críticas no mundo das letras. Polémica é também a atribuição a um autor que não o aceita, como foi o caso em 1964 com Jean Paul Sartre.

Reputação em cheque

O comitê do Prémio Nobel, composto normalmente por cinco membros que recomendam um laureado ao resto da academia, deve incluir em 2019 e 2020 “cinco especialistas externos”, especialmente críticos, editores e autores com idades compreendidas entre os 27 e os 73 anos.

Depois do escândalo, estas nomeações externas foram impostas pela Fundação Nobel, que financia o prémio: “As mudanças foram muito frutíferas e temos esperança para o futuro”, declarou à AFP o novo secretário permanente, Mats Malm, dias antes do anúncio dos premiados.

Mas para muitos o mal já está feito: “Depois de ter estado associado à literatura de primeira ordem, o Prémio Nobel está agora relacionado para muitos com o #MeToo… e a uma organização que tem falhas de funcionamento”, lamenta Madelaine Levy, crítica no jornal Svenska Dagbladet. “Há muito trabalho ainda por fazer, temos certeza”, aponta Malm.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.