Tetraplégico volta a andar com exoesqueleto controlado pelo cérebro

Um francês que ficou paralisado após um acidente conseguiu andar novamente graças a um exoesqueleto controlado pelo cérebro. O avanço tecnológico oferece esperança aos tetraplégicos, que encaram agora a possibilidade de poderem vir a recuperar a capacidade de se movimentar.

O paciente treinou por meses, controlando um avatar simulado por computador através de impulsos cerebrais. Identificado apenas como Thibaut, o paciente ensaiou a execução de movimentos básicos antes de usar o dispositivo robótico para caminhar.

Os médicos que conduziram o estudo dizem que o dispositivo está a anos de estar disponível para o público, mas enfatizaram que o aparelho tem “o potencial de melhorar a qualidade de vida e a autonomia dos pacientes”.

O homem envolvido no estudo, de 28 anos e natural de Lyon, disse que a tecnologia lhe deu uma nova vida.

Há quatro anos, Thibaut caiu da varanda de um clube nocturno. A queda, de 12 metros, deixou o jovem com uma lesão na medula espinhal, paralisando-o dos ombros para baixo: “Quando alguém está na minha posição, quando não pode fazer nada com o seu corpo (…) Pouco mais resta do que fazer algo com o cérebro”, disse Thibault à AFP.

O jovem utilizou um sistema de avatar semelhante aos usados em jogos de vídeo para adquirir as habilidades necessárias para operar o exoesqueleto,  “reaprendendo” factualmente os movimentos naturais a partir do zero.

“Não posso ir para casa amanhã no meu exoesqueleto, mas cheguei a um ponto em que posso andar. Ando quando quero e paro quando quero”, afirmou.

A lesão da medula espinhal cervical deixa cerca de 20 por cento dos pacientes paralisados nos quatro membros e é a lesão mais grave do seu tipo: “O cérebro ainda é capaz de gerar comandos que normalmente moveriam os braços e as pernas, mas não há nada para os conduzir”, disse Alim-Louis Benabid, professor emérito da Universidade de Grenoble e autor principal do estudo, publicado na revista The Lancet Neurology.

Uma equipa de especialistas do Hospital de Grenoble Alpes, da empresa biomédica Cinatech e do centro de pesquisa CEA começaram por implantar dois dispositivos de gravação em ambos os lados da cabeça de Thibault, entre o cérebro e a pele do paciente.

Os dispositivos têm a capacidade para ler o córtex sensório-motor de Thibaut, a área que controla a função motora. Cada descodificador transmite os sinais cerebrais que são depois traduzidos por um algoritmo que se transforma nos movimentos nos quais o paciente pensou. É este sistema que envia comandos físicos que o exoesqueleto executa.

Thibault usou o avatar e o jogo que lhe estava associado para pensar sobre a execução de tarefas físicas básicas, como caminhar e estender a mão com o propósito de tocar em objectos.

Usando o avatar, o jogo de vídeo e o exoesqueleto combinados, Thibaut conseguiu cobrir a extensão de um campo e meio de futebol americano ao longo de várias sessões.

Vários estudos anteriores usaram implantes para estimular músculos no próprio corpo dos pacientes, mas o estudo de Grenoble é o primeiro a usar sinais cerebrais para controlar um exoesqueleto robótico.

Especialistas envolvidos na investigação dizem que os avanços agora registados podem culminar no desenvolvimento de cadeiras de rodas controladas por parte de pacientes paralisados através de impulsos cerebrais.

“Não se trata de transformar o homem numa máquina, mas de responder a um problema médico”, disse Benabid. “Estamos a falar de um ‘homem recomposto’, não de um ‘homem aumentado’.

Num comentário sobre a investigação, Tom Shakespeare, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, defendeu que o sistema de exoesqueleto está ainda “muito longe das possibilidades clínicas utilizáveis”.

Mas Thibault disse que a investigação  oferece “uma mensagem de esperança” para pessoas como ele. “A esperança é possível, mesmo com a nossa deficiência”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.