Video mapping. Diocese lembra carácter religioso das Ruínas e pede diálogo

A Diocese de Macau manifestou-se esta quinta-feira disponível para “dialogar” e “para trocar ideias” com os diferentes departamentos do Governo tendo em vista a utilização de espaços ou estruturas de natureza religiosa para finalidades terceiras. A tomada de posição da Diocese surge na sequência das reacções de descontentamento geradas pela projecção do espectáculo de “vídeo mapping” “Glória e Esplendor na Celebração do 70o Aniversário da Implantação da República Popular da China” na fachada das Ruínas de São Paulo.

Num curto comunicado, assinado pelo Reverendo Cyril Law, que substituiu no início de Setembro o português Manuel Machado como chanceler da Diocese de Macau, o Paço Episcopal sugere que a produção de novos espectáculos de “vídeo mapping” tenham em contexto e a natureza religiosa da monumento.

Na nota de imprensa, a Diocese lembra que o espectáculo de celebração dos 70 anos da República Popular da China suscitou reacções de descontentamento e de indignação junto de um número significativo de católicos, tanto de Macau, como do estrangeiro.

A Diocese esclarece que o que resta da Igreja da Mater Dei já não pertence à Igreja Católica do território, mas faz questão de afirmar que as Ruínas de São Paulo continua, a ser “um símbolo da Fé Católica em Macau”.

O espectáculo de “vídeo mapping” com que a Direcção dos Serviços de Turismo assinalou, durante três noites consecutivas,  os 70 anos da implantação da República Popular da China suscitou no fim-de-semana passado a indignação dos internautas do território. Centenas de residentes acorreram às redes sociais para criticar a sobreposição dos emblemas nacionais da República Popular da China sobre as estátuas e os motivos católicos das Ruínas de São Paulo.

As críticas mais loquazes surgiram na página de Facebook “Tsan Heui” (a expressão cantonense para “pó”), uma plataforma com quase cinco mil seguidores. O responsável pela página, identificado apenas pela alcunha “dust someone”, lembrava que as Ruínas de São Paulo “são um marco de Macau” e “um símbolo do catolicismo” no território e comparava o espectáculo de vídeo mapping a um quarto “grande incêndio”, numa alusão à destruição pelo fogo da antiga basílica da “Mater Dei”.

Num pequeno texto, o internauta contestava ainda a escolha da fachada do antigo templo católico para cenário das celebrações dos 70 anos da implementação da República Popular da China e lamentava o facto dos emblemas nacionais tenham sido projectados sobre a estátua da Virgem Maria e sobre a representação do Espírito Santo: “Cobrir símbolos sagrados com uma bandeira vermelho sangue é patriótico?”, questionou o responsável pela página. “Por favor, não projectem símbolos comunistas nas Ruínas de São Paulo”, solicitou ainda o autor do texto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.