Equador desvincula-se da OPEP a 1 de Janeiro de 2020

O Equador anunciou nesta terça-feira que em janeiro vai deixar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) devido a problemas financeiros.

“O governo equatoriano decidiu deixar de pertencer à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) a partir do 1º de janeiro de 2020”, informou o Ministério da Energia e Recursos Naturais Não Renováveis numa nota de imprensa.

O Ministério acrescentou que “a decisão está nas questões e desafios internos que o país deve assumir, relacionados à sustentabilidade fiscal. Essa medida está alinhada com o plano do governo nacional de reduzir os gastos públicos e gerar novas receitas”.

O Equador, o membro da OPEP com a produção de hidrocarbonetos menos significativa – produz cerca de 531.000 barris por dia de petróleo bruto – enfrenta problemas financeiros que levaram o governo do presidente Lenín Moreno a aumentar a dívida externa.

O passivo público ficou em 39.491 milhões de dólares (36,2 por cento do PIB) em Julho passado, segundo o Banco Central (BCE).

Esta será a segunda vez que o Equador anuncia a retirada da Organização dos Países Exportadores de Petróleo em 1973 e de onde se desvinculou em 1992.

A pasta de Energia informou que Quito, que regressou à OPEP em 2007, “sempre foi um membro construtivo da organização e manterá os laços formados com os países da organização”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.