Oceanos. “Ilhas” de plástico têm origem nos maus hábitos da marinha mercante

A maioria das garrafas que acabam na costa da pequena ilha Inacessível, assim baptizada devido à sua localização no meio do Atlântico Sul, provavelmente foi lançada por navios mercantes chineses. Esta é a conclusão mais relevante de um estudo publicado na segunda-feira.

O estudo é mais uma prova de que as ilhas flutuantes de resíduos plásticos que é possível encontro no meio dos oceanos – e cujas imagens escandalizaram a opinião pública – seriam formadas com garrafas e outros artigos de uso único lançados na natureza não tanto pelos consumidores dos produtos, mas pelas indústrias pesqueiras e marítimas, que lançam anualmente toneladas de plástico no mar.

Os autores do artigo, publicado na revista americana PNAS,  compararam milhares de resíduos colectados durante as visitas à pequena ilha em 1984, 2009 e 2018.

Embora inicialmente a maioria das garrafas encontradas na ilha Inacessível apresentassem inscrições mostrando que tinham como origem a América do Sul, transportadas pelas correntes a partir do litoral, em 2018 três quartos procediam da Ásia, principalmente da República Popular da China.

Muitas destas garrafas PET tinham sido esmagadas e comprimidas com a ajuda da rosca, método que se utiliza nas embarcações para economizar espaço, afirma o autor principal do estudo, Peter Ryan, da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul.

As datas de fabrico dos dejectos plásticos são recentes: em 90 por cento dos casos reportam-se a detritos plásticos com cerca de dois anos. A excepção dão os plásticos que terão viajado desde a costa asiática, a partir de onde o percurso dos detritos dura entre três e cinco anos.

E como o número de navios pesqueiros asiáticos se manteve estável desde a década de 1990, enquanto o número de navios mercantes asiáticos e principalmente chineses aumentou significativamente no Atlântico, os pesquisadores concluem que todas estas garrafas provêm de navios mercantes, que se desfazem delas em vez de as levar de volta a terra: “Não há outra explicação: provêm de embarcações e não das terras costeiras”, declarou Peter Ryan à AFP. “Parte da frota mercante parece ser responsável. E aparentemente é a frota asiática”, expressou.

É necessário, portanto, diferenciar dois tipos de poluição marinha.

Por um lado, a das praias em volta dos principais centros urbanos. O plástico que se encontra lá provém dos litorais: garrafas, sacolas e embalagens de plástico. Mas esses objetos leves fluem facilmente e são menos arrastados pelas correntes.

No coração dos oceanos, os vórtices de resíduos contém fragmentos de objectos de origem incerta, assim como artigos utilizados pela marinha mercante e pelos navios pesqueiros: não só as garrafas que são consumidas a bordo, mas também redes, cordas, boias e caixas, entre outros.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.