Carne vermelha. Nem bestial nem besta?

Reduzir o consumo de carne vermelha é um conselho repetido pelos médicos até à exaustão no que toca à prevenção do cancro e de doenças de natureza cardio-vasculcar, mas a reapreciação de dezenas de estudos concluiu que os riscos para a saúde são baixos, e as evidências, ainda incertas.

De acordo com novas directrizes publicadas na revista médica “Annals of Internal Medicine”, um painel de investigadores de sete países recomendou que os adultos “continuem com o consumo actual de carne vermelha”.

A recomendação, que imediatamente suscitou uma forte reacção de outros especialistas, acrescentou que os adultos também devem “continuar a consumir carne processada”.

Publicada na revista editada pelo American College of Physicians, a investigação  analisou vários estudos que, tidos na sua globalidade, mostraram que a limitação  do consumo de carne vermelha a três porções por semana poderia reduzir a mortalidade por cancro em sete mortes por cada mil pessoas.

Os investigadores consideram que a redução é modesta e que os estudos oferecem  um “baixo” grau de certeza sobre as estatísticas.

Os responsáveis pela reapreciação dos estudos acrescentaram que a qualidade das provas que relacionam a carne com doenças cardiovasculares e diabetes é “muito baixa”: “Existe uma diminuição muito pequena dos riscos associados ao cancro, a doenças cardíacas, a diabetes, e as evidências científicas são incertas”, declarou à AFP Bradley Johnston, professor de Epidemiologia da Universidade Dalhousie, no Canadá. O académico é director do grupo NutriRECS, que elaborou as novas directrizes: “As pessoas precisam de tomar as suas próprias decisões. Estamos a avançar com aquela que a estimativa que mais se aproxima da verdade”, enfatizou.

Cardápio revisto

Os investigadores responsáveis pelas novas directrizes deixaram claro que querem mudar a abordagem da “velha escola” de dar recomendações nutricionais gerais, procurando concentrar-se mais nos  benefícios individuais das escolhas alimentares.

“As pessoas devem olhar para estes dados e, espero, tomar decisões pessoais informadas, em vez de ouvirem as organizações dizerem o que devem ou não  fazer”, destacou Johnston.

Comer menos carne vermelha e processada tem sido um pilar da orientação alimentar sancionada em muitos países e também pelos principais organismos internacionais de saúde.

O Centro Internacional da Investigação do Cancro da Organização Mundial da Saúde garante que a carne processada é cancerígena, sustentando que a carne vermelha é “provavelmente cancerígena”.

Em resposta às directrizes mais recentes, o Centro disse que não tenciona alterar os seus conselhos: “Mantemos a nossa confiança no rigor das pesquisas conduzidas ao longo de 30 anos”, afirmou a directora do Departamento de Investigação, Giota Mitrou.

Marji McCullough, epidemiologista da American Cancer Society, sustenta por sua vez que os investigadores levaram em linha de conta os valores e as preferências individuais das pessoas: “É como dizer: ‘Sabemos que os capacetes salvam vidas, mas algumas pessoas preferem sentir o vento nos cabelos quando andam de bicicleta. E, convenhamos, a maioria das pessoas não vai  cair e bater com a cabeça”, defendeu. “Mas todos concordam que o capacete deve ser usado”, acrescentou.

Kevin McConway, professor emérito de Estatística Aplicada da Universidade Aberta do Reino Unido, disse que a falta de provas científicas sólidas significa apenas que há poucas respostas claras.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.