Executivo teme retracção economia. Guerra comercial é a culpada

O Governo antecipou esta segunda-feira uma retracção económica no terceiro trimestre do ano, devido à queda acentuada das receitas do jogo e à escalada da guerra comercial entre Washington e Pequim. O prognóstico é avançado por Lionel Leong, Secretário para a Economia e Finanças.

“Caso não haja outros factores favoráveis ou o surgimento de grandes mudanças, prevê-se que o Produto Interno Bruto de Macau no terceiro trimestre poderá reflectir um crescimento negativo”, disse o secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong.

O governante, que em Agosto já tinha admitido uma retracção da economia na segunda na metade do ano, prevê agora que a oscilação “irá manter-se a curto prazo”, de acordo com um comunicado do seu gabinete.

No passado dia 1, no mesmo dia em que entraram em vigor nos Estados Unidos da América novas tarifas sobre produtos importados da China, os casinos em Macau apresentaram uma queda de 8,6 por cento das receitas provenientes do jogo, a segunda descida consecutiva e a mais acentuada do ano.

Quanto ao sector de que depende a economia de Macau, Leong descarta a ideia de Setembro ‘salvar’ o terceiro trimestre, depois das quedas de julho (-3,5 por cento) e Agosto: “Os números atuais indicam que em Setembro os resultados também não serão ideais”, reconheceu.

Já sobre a guerra comercial, o governante adverte sobre as consequentes mudanças nas taxas de câmbio do renmimbi, que fazem “prever que Macau irá manter um período de flutuação sustentada a curto prazo”.

No entanto, garantiu, “o Governo continuará atento ao desenvolvimento e à variação da economia de Macau e do exterior, mantendo a comunicação com os sectores financeiros e outros, e a acompanhar constantemente possíveis variações da taxa de desemprego e da capacidade de consumo, bem como a avaliar a pressão sentida pelo sistema financeiro”.

No primeiro semestre, Macau registou uma queda de 2,5 por cento do Produto Interno Bruto, um resultado que o responsável pela pasta da Economia e Finanças atribui à redução das obras de construção e à diminuição do investimento em activos fixos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.