Betão no lugar do tijolo no Mercado Vermelho

O Instituto Cultural autorizou a substituição dos pilares de tijolo que sustentam o Mercado Vermelho por estruturas semelhantes de betão. O organismo intimou em meados de Agosto os proprietários da colina da Ilha Verde a submeterem o antigo Mosteiro ali existente a obras de requalificação, mas a carta em que o ultimato é feito continua na posse dos Correios.

O Instituto Cultural deu luz verde à substituição dos pilares de tijolo que actualmente sustentam a estrutura do Mercado Vermelho por colunas em betão, no âmbito da empreitada de reabilitação e mercado das instalações. A informação foi avançada pela vice-directora do Instituto Cultural, em declarações à imprensa.

Apesar do aval dado pelo organismo, Leong Wai-man deixou claro que a substituição dos pilares não deve colocar em risco nem a fiabilidade estrutural do edifício, nem o traçado original do Mercado. A intervenção deve ser conduzida ao longo de um período de três meses e ter em conta as características originais do edifício.

Leong Wai-man lembrou que o restauro e a recuperação de imóveis de interesse patrimonial estão entre as prioridades do organismo. O Instituo Cultural está apostado em respeitar a autenticidade dos materiais e das técnicas de construção originais, mas não afasta, ainda assim a possibilidade, da empreitada de reforço estrutural poder vir a “afectar a sensação original do espaço”.

Nas declarações que prestou à imprensa em língua chinesa, a vice-directora do Instituto Cultural adiantou ainda que o organismo intimou os proprietários do terreno onde está localizado o antigo Mosteiro da Ilha Verde a conduzir obras de requalificação quer no edifício, quer na área natural envolvente.

Na carta registada que enviou aos proprietários do terreno a 12 de Agosto, o Instituto Cultural impunha a limpeza do espaço num período de 30 dias após o levantamento da carta. Leung Wai-man revelou que a missiva ainda permanece nos Correios.

Se a carta for devolvida ao Instituto Cultural, o organismo deverá activar os mecanismos legais que prevêm a condução de trabalhos de manutenção obrigatório em imóveis negligenciados ou em risco. Conduzida a empreitada, o Governo deverá fazer chegar a factura aos proprietários do espaço.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.