Wall Street fecha em alta graças a desanuviamento comercial entre Washington e Pequim

A bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em alta acentuada, com os investidores entusiasmados com o adiamento da aplicação de tarifas alfandegárias suplementares pelos Estados Unidos da América a importações oriundas da República Popular da China.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice selectivo Dow Jones Industrial Average avançou 1,48 por cento, para os 26.279,91 pontos, depois de ter chegado a valorizar mais de 2 por cento durante o período de transacções.

O tecnológico Nasdaq ganhou 1,95 por cento, para as 8.016,36 unidades, e o alargado S&P500 progrediu 1,50 por cento,  para as 2.926,32. A praça nova-iorquina tinha começado a sessão no vermelho, devido à preocupação com o agravamento da crise política em Hong Kong e a ameaça de uma intervenção da República Popular da China.

Mas os índices passaram bruscamente para terreno positivo, depois de um comunicado do representante norte-americano para o Comércio Externo, que indicava que as taxas suplementares de 10 por cento anunciadas pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a aplicar às importações de bens chineses, como telemóveis, computadores portáteis e consolas de jogos, tinham sido adiadas de 1 de Setembro para meados de Dezembro.

Outros produtos, como os ligados à saúde ou à segurança, serão totalmente isentos desta taxa: “O adiamento das tarifas é muito positivo. É interpretado como um degelo, uma vez que a situação (entre os EUA e a China) era glacial”, disse Alan Skrainka, da Cornerstone Wealth Management. “Isto mostra a que ponto os investidores estão sensíveis a cada notícia sobre o assunto, quando o comércio mundial está em vias de perder vigor”, continuou Skrainka.

A praça nova-iorquina tem evoluído nas últimas semanas em função dos desenvolvimentos na frente comercial sino-norte-americana, alternando entre baixas repentinas e subidas brutais: “Um twit (mensagem na rede social Twitter) do Presidente Trump pode fazer os investidores cederem ao pânico ou então provocar um entusiasmo desmedido. Isto indica, na minha perspectiva, uma falta de confiança”, sublinhou Sam Stovall, da CFRA.

No mercado obrigacionista, a taxa de juro sobre a dívida norte-americana a 10 anos evoluía em 1,69 por cento, cerca das 21:20 de Lisboa.

Manteve-se assim acima da taxa de juro paga pela dívida a dois anos, que estava em 1,67 por cento.

A chamada inversão da curva das taxas, quando a primeira fica abaixo da de prazo mais curto, é geralmente considerada como um sinal antecipador de uma recessão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.