Guarnição militar em Macau é um reflexo de um exército “poderoso e organizado”

A guarnição chinesa estacionada em Macau é “o reflexo” de um “exército “poderoso e civilizado” e contribuiu de “forma incansável” para o progresso da RAEM. O elogio foi esta quinta-feira feito pelo chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On. 

Ao longo de duas décadas, os militares “desempenharam de forma distinta diversas missões em cumprimento das suas atribuições de defesa, sendo o reflexo de um exército poderoso e civilizado, o que lhes granjeou o grande reconhecimento dos compatriotas de Macau”, disse Fernando Chui Sai On.

O governante falava numa recepção destinada a cê lebrar o 92.º aniversário do estabelecimento do Exército Popular de Libertação, no ano em que se assinalam também os 20 anos da transferência de administração de Portugal para a China.

Chui Sai On destacou o trabalho solidário da guarnição de Macau e o “enorme apoio” dos militares em acções de prevenção de desastres e de socorro, apesar de, em 20 anos, terem sido mobilizados uma única vez para uma operação de emergência civil, aquando da passagem do tufão Hato, em Agosto de 2017, que causou dez mortos e mais de 200 feridos.

Por ocasião do 70.º aniversário da República Popular da China, o chefe do Executivo, cujo mandato termina em Dezembro, sublinhou que o país e Macau “entrarão numa nova fase de desenvolvimento, repleta de oportunidades” e, nesse sentido, apelou ao esforço conjunto dos vários sectores da sociedade para que a região possa “entrar a bordo do comboio rápido do desenvolvimento nacional”.

Sobre o futuro, Chui Sai On acrescentou: “Continuaremos a manter uma estreita ligação e colaboração com a guarnição em Macau e com as instituições do Governo Central em Macau, caminhando, de mãos dadas, para a salvaguarda da estabilidade e segurança a longo prazo, e para um futuro mais próspero para Macau”.

A guarnição chinesa estacionada no território depende directamente da Comissão Militar Central e o orçamento é assegurado pelo Governo central chinês.

Uma coluna composta por 500 soldados do Exército Popular de Libertação entrou em Macau em 20 de dezembro de 1999 ao meio-dia, 12 horas depois da transferência da administração do território de Portugal para a China.

A presença de uma unidade militar em Macau, inicialmente contestada por Portugal, foi anunciada em 1998 pelo Governo chinês como um “símbolo de que a China reassumiu o exercício da soberania” sobre o território.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.