Associação de Futebol recusa-se a jogar no Sri Lanka por razões de segurança

Fotografia: Macau Bolinha e Bolão/Bessa Almeida

A Associação de Futebol de Macau reiterou este domingo que não tenciona enviar a selecção ao Sri Lanka, para o encontro da segunda mão do desafio de pré-qualificação para o Campeonato do Mundo de Futebol. O organismo justifica a decisão com motivos de segurança, devido aos atentados terroristas que abalaram o antigo Ceilão no domingo de Páscoa.

A selecção do Lótus venceu na quinta-feira o Sri Lanka pela margem mínima, num desafio disputado na vizinha cidade continental de Zhuhai, mas tudo indica que não se vai apresentar na partida da segunda mão, que se disputa na terça-feira em Colombo.

Se não comparecer ao encontro, a selecção do território é sancionada com uma derrota por três bolas a zero e arrisca-se a ser punida pela FIFA.

Os recentes ataques terroristas de que o Ceilão foi alvo e a segurança dos jogadores do território foram as justificações avançadas, no sábado, pela Associação de Futebol de Macau para justificar a decisão de não se deslocar ao território.

Os festejos dos jogadores da selecção na quinta-feira à noite, em Zhuhai, após o triunfo frente ao Sri Lanka.

O Sri Lanka tem estado sob tensão desde os atentados de 21 de Abril, quando 258 pessoas morreram em ataques suicidas que atingiram três igrejas e três hotéis, e foram reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

No sábado, em entrevista à TDM, o internacional Nicholas Torrão afirmou que grande parte dos jogadores estão decepcionados com a decisão porque queriam jogar e tentar garantir pela primeira vez o apuramento para a fase seguinte de qualificação: “É com profunda tristeza que recebemos esta notícia. Já sabíamos que havia essa possibilidade, mas, depois de uma vitória na primeira mão, receber esta notícia agora é [ver] cair por terra todas as nossas esperanças. Os jogadores estão muito desiludidos”, disse Nicholas Torrão, durante a entrevista concedida ao Telejornal do Canal Macau.

Entretanto, a grande maioria dos jogadores da Selecção principal, bem como cerca de uma dezena de atletas das selecções juvenis, assinaram um comunicado, onde sustentam que o futebol em Macau não tem sido respeitado ultimamente e que agora tinham a oportunidade de dar aos “cidadãos, adeptos, familiares e amigos de Macau uma razão para se orgulharem da selecção de Macau”. O diferendo entre os atletas e a Associação de Futebol ganhou esta tarde contornos políticos, com três jogadores a participarem numa conferência de imprensa convocada pela Associação Novo Macau, a principal plataforma pró-democracia do território.

A selecção do Lótus ocupa o 183.º lugar do ‘ranking’ da FIFA, enquanto o Sri Lanka é o 202.º de uma lista onde constam 211 seleções.

O Mundial2022, a disputar no Qatar, vai ser o segundo no continente asiático, depois do Coreia/Japão de 2002, e deverá ser o último com 32 selecções, já que em 2026 vai contar com 48 nações.

Ainda assim, este mês, a FIFA vai reunir e decidir se antecipa este alargamento já para o Qatar, o que implicaria a organização de alguns jogos num país vizinho.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.