Ajuda a Moçambique. ATFPM calça as botas do Fórum Macau

O secretariado permanente do Fórum do Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa terá alegado falta de capacidade logística para coordenar o envio de um contentor com ajuda humanitária para Moçambique e a ATFPM assumiu a tarefa. Para a Beira deve seguir, nos próximos dias, vestuário, géneros alimentícios e produtos de higiene e desinfecção.

A Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM) deve enviar ainda esta semana um contentor com ajuda humanitária para a região centro de Moçambique, devastada há um mês pelo ciclone Idai.

A informação foi esta terça-feira avançada ao Expediente Sínico pelo presidente do organismo, José Pereira Coutinho. O também deputado à Assembleia Legislativa explicou que a ATFPM assumiu a tarefa de coordenar o envio de um “contentor de 20 pés” para a quarta maior cidade de Moçambique, depois do secretariado permanente do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa ter supostamente alegado que não tinha capacidade logística para se responsabilizar pelo processo: “A campanha de recolha de donativos não foi organizada pela ATFPM, somos meros intermediários. Como no Fórum não houve quem se disponibilizasse a recolher os bens que as pessoas queriam doar às populações afectadas pelas cheias, a Associação decidiu centralizar todo o processo do envio dos bens”, ilustra Pereira Coutinho.

José Pereira Coutinho.

Para Moçambique deve seguir nos próximos dias um carregamento com vestuário, géneros alimentícios secos de longa duração e produtos de higiene e de desinfecção. Um contentor de 20 pés pode transportar cerca de 28 toneladas de mercadoria, quase uma tonelada por metro cúbico.

Se o envio da ajuda humanitária está praticamente acertado com uma empresa local de transporte de mercadorias, a recepção dos bens em Moçambique está a deixar os responsáveis pela Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau preocupados: “Queremos descarregar na Beira, uma vez que o porto de Maputo fica a mais de 1200 quilómetros das áreas devastadas pelo ciclone. Não temos a certeza se o material consegue seguir directamente para a Beira, mas devemos ter uma resposta definitiva dentro de três dias”, explica José Pereira Coutinho. “Estamos à espera de receber informação da companhia logística que se vai responsabilizar pelo transporte do contentor para Moçambique”, complementa o presidente da ATFPM.

“No passado, enviamos por várias vezes ajuda humanitária para o interior da República Popular da China, mas é sempre mais fácil porque há no território associações representativas das regiões flageladas e são estas associações que coordenam os esforços logísticos de transporte dos bens angariados”, adianta ainda o dirigente, que explica que o processo de envio do contentor foi feito após consulta ao Consulado Geral de Moçambique em Macau.

O ciclone Idai, o mais forte a fustigar a costa oriental africana em mais de uma década, fez mais de sete centenas de mortos em Moçambique, no Malawi e no Zimbabwe. A tempestade, que fustigou a Beira a 19 de Março, deixou mais de 90 por cento da quarta maior cidade de Moçambique submersa e matou 518 pessoas apenas na “Pérola do Índico”. Em Macau, o Grupo de Escuteiros Lusófonos (GELMac) e a Diocese local angariaram quase 50 mil patacas de apoio às populações afectadas em dois peditórios conduzidos à saída da Igreja da Sé.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.