Malásia retoma projecto ferroviário financiado pela China

O Governo malaio anunciou na sexta-feira que vai retomar um projecto de ligação ferroviária, financiado pela República Popular da China, depois de o construtor chinês ter baixado os custos.

O acordo pôs fim a meses de impasse sobre a ligação de 668 quilómetros de comprimento, que liga a costa ocidental da Malásia aos estados rurais orientais, numa ligação essencial à iniciativa chinesa de construção de infra-estruturas “Uma Faixa, Uma Rota”.

O gabinete do primeiro-ministro malaio, Mahatir bin Mohamad, indicou que vai ser assinado um acordo suplementar com a companhia de construção de comunicações chinesa para retomar o projecto.

O orçamento para a construção das primeiras duas fases da ligação ferroviária é agora de 44 mil milhões de ringgits – qualquer coisa como 9,5 mil milhões de euros –  uma descida de um terço em relação ao custo inicial de 65,5 mil milhões de ringgits.

“Esta diminuição

[dos custos]

vai seguramente beneficiar a Malásia e aliviar o peso sobre as finanças do país”, de acordo com a mesma nota.

Em Agosto passado, Mahathir bin Mohamad cancelou também a construção de dois oleodutos, financiados pela China e avaliados em milhares de milhões de dólares, no final de uma visita oficial a Pequim, onde esperava renegociar os termos dos contratos, financiados por bancos estatais chineses.

Esta ligação férrea é parte fundamental da iniciativa chinesa, lançada em 2013 pelo Presidente chinês, Xi Jinping, e que inclui uma malha ferroviária intercontinental, novos portos, aeroportos, centrais eléctricas e zonas de comércio livre, visando ressuscitar vias comercias que remontam ao período do Império Romano, e então percorridas por caravanas.

Construídos por empresas chinesas e financiados pelos bancos estatais da República Popular da China, os projectos no âmbito daquela iniciativa estendem-se à Europa, Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

No entanto, o crescente endividamento dos países envolvidos relativamente a Pequim acarreta riscos. Exemplo disso, é o Sri Lanka, onde um porto de águas profundas construído por uma empresa estatal chinesa acabou por ser uma despesa incomportável para o país, que teve de entregar a concessão da infra-estrutura, e dos terrenos próximos, à China por um período de 99 anos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.