Holanda. Ex-director de banco de esperma tem 49 filhos biológicos

O antigo director de um banco de esperma na Holanda, falecido em 2017, é o pai biológico de 49 crianças nascidas por fertilização in vitro, anunciou na sexta-feira uma organização que representa os pais e as crianças que estão no centro da polémica.

Jan Karbaat, médico e antigo director de um banco de esperma localizado em Barendrecht, no sudoeste da Holanda, é suspeito de ter usado várias vezes o seu próprio esperma ao invés do dos pais ou do dos dadores seleccionados pelas famílias.

Os resultados de uma série de testes de ADN conduzidos num hospital de Nijmegen, no sudoeste dos Países Baixos, “mostraram que 49 crianças neste caso são descendentes directos” de Karbaat, informou a organização Defence for Children num comunicado: “Os resultados confirmam as sérias suspeitas de que Karbaat usou o seu próprio esperma em muitas das inseminações que fez na sua clínica”, acrescentou.

A comoção neste caso aumentou em Fevereiro, quando um tribunal holandês determinou que amostras de ADN de Karbaat deveriam ser disponibilizadas para que os casais que recorreram à clínica pudessem obter esclarecimentos.

Antes de morrer, Jan Karbaat terá dito que era o pai biológico de seis dezenas de  crianças. A clinica fechou em 2009 por irregularidades administrativas. Karbaat teria falsificado dados e descrições dos doadores de esperma e excedido o máximo combinado de seis crianças por doador.

O grupo de supostos filhos de Karbaat e as respectivas famílias avançaram com uma acção judicial para obter o DNA do médico. Os advogados da família Karbaat argumentaram que o direito à privacidade de seus clientes deveria ser respeitado.

A decisão da justiça de autorizar um teste de paternidade “colocou o direito das crianças à frente do de Karbaat e da sua família”, reagiu Iara de Witte, da Defence for Children. “Agora, após anos de dúvidas, os requerentes podem encerrar esse capítulo e começar a digerir o facto de que são um dos muitos descendentes de Karbaat”, concluiu a activista.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.