Luanda quer vender diamantes em Macau

O Governo defendeu esta sexta-feira que a aplicação do processo Kimberley no território – mecanismo que atesta a origem legal dos diamantes vendidos no mercado internacional – vai reforçar a relação comercial com Angola.

“Há empresas de Angola que já manifestaram interesse em fazer comércio em Macau depois da aplicação deste regime. E estão dispostas e interessadas em reforçar a relação comercial” com a RAEM, afirmou o secretário para a Economia e Finanças.

Lionel Leong Vai Tac falava durante a reunião plenária da Assembleia Legislativa que decorreu esta tarde, durante a qual foi aprovada na generalidade a proposta que visa estender ao território a aplicação do processo Kimberley.

Criado em 2003, o processo Kimberley tem como objectivo atestar a origem legal dos diamantes vendidos no mercado internacional, para impedir o comércio dos chamados “diamantes de sangue”, extraídos de zonas em guerra.

Além do manifesto interesse por parte de Angola, também “já há empresas da República Popular da China que pretendem registar-se em Macau para serem comerciantes nesta área”, afirmou o responsável.

O Governo considera que a promoção da indústria de diamantes no território, “apenas possível” com a aplicação deste regime, vai contribuir para a diversificação adequada da economia.

“A extensão deste sistema a Macau vai contribuir para a criação de novas indústrias”, afirmou Lionel Leong, nomeando a indústria de importação e exportação, mas também a das exposições e convenções e do design de joalharia.

“A aplicação deste processo vai contribuir para uma cadeia de fabrico”, salientou o governante.

Alguns deputados mostraram-se preocupados com a questão do branqueamento de capitais, mas Lionel Leong assegurou: “Quem infringir os diplomas legais, vai ser alvo de sanção”.

De acordo com a proposta de lei, os Serviços de Economia e os Serviços de Alfândega vão ser as autoridades competentes para verificar os diamantes em bruto e a estabelecer o regime sancionatório.

Em Junho do ano passado, Macau assinou um acordo com a Bolsa de Diamantes de Xangai, para ser um centro de comércio de diamantes, aproveitando o papel de plataforma entre a China e os países lusófonos, que detêm a matéria-prima.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.