FMI e Banco Mundial colocam em causa empréstimos concedidos por Pequim

A crescente influência da República Popular da China nos países em desenvolvimento por meio da concessão de empréstimos está a ser acompanhada com alguma preocupação pelas principais instituições financeiras internacionais. Em causa está o peso da dívida de que a China é credora e o receio de que as condições impostas possam levar a uma crise.

Os grandes credores internacionais, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM), estão a pedir mais transparência sobre os montantes e os termos em que o dinheiro é emprestade. Os dois organismo exortaram vários Governos a não contrair dívidas em excesso.

Nas reuniões de Primavera organizadas pelo organismo, esta quinta-feira, o recentemente nomeado presidente do Banco Mundial, David Malpass, lembrou que “17 países africanos já estão em alto risco e que o número cresce à medida que são empreendidos novos contratos e acordos que não são suficientemente transparentes”.

A Directora Executiva do Fundo Monetário Internacional,  Christine Lagarde, lembrou, por sua vez, que os altos níveis da dívida e o número de devedores não estão em conformidade com os padrões internacionais, o que complica os esforços futuros para reestruturar as dívidas dos países devedores: “O Banco Mundial e o FMI estão a trabalhar juntos para trazer mais transparência e ser mais capazes de identificar empréstimos, termos, condições, volumes e prazos”, disse Lagarde numa conferência de imprensa.

A responsável afirmou que a instituição incentiva os países devedores a respeitarem ao máximo os princípios estabelecidos por organizações como o Clube de Paris e o G20.

Malpass reconheceu que o acesso a empréstimos pode ajudar as economias a crescer, mas defendeu que, no caso da China, “isso não é feito de maneira transparente, com bons resultados em relação à construção da dívida e depois acaba por ser um fardo para a economia”.

O novo responsável pelo Banco Mundial defendeu que “a história está cheia de exemplos em que o excesso de dívida se prefigura como um peso para as economias”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.