Ai Weiwei lembra estudantes desaparecidos no México em 2014

Com um milhão de peças da marca dinamarquesa Lego, o artista chinês Ai Weiwei desenhou os rostos dos 43 estudantes mexicanos que desapareceram em 2014, numa instalação artística que é também um acto de protesto pela falta de resultados nas investigações lançadas pelas autoridades mexicanas com o propósito de determinar o paradeiro dos jovens.

“Esqueça que eu sou um artista. Sou um ser humano, tal como você. E se você vê alguém triste, se você ouve que o filho do seu vizinho nunca mais voltou e que ao fim de quatro anos o Governo não consegue chegar a uma conclusão, que tipo de Governo é esse? Em que tipo de sociedade vivemos? “, interrogou o artista de 63 anos na apresentação do trabalho, esta quinta-feira.

A obra, intitulada “Restabelecendo Memórias” e exibida no Museu Universitário de Arte Contemporânea da Cidade do México, é o resultado das conversas que o artista chinês manteve com os pais dos jovens, que estudavam para ser professores numa escola rural em Ayotzinapa, no estado de Guerrero.

Ai Weiwei – cuja vida foi marcada pela censura, pela prisão e pelo exílio –diz que os pais dos estudantes desaparecidos são as pessoas “mais inocentes” que já conheceu.

Sob os retratos coloridos feitos com Legos, que acrescentam um toque pop à tragédia, pode ser vista a cronologia do caso. A  linha do tempo destaca a noite de 26 de Setembro de 2014, quando os jovens foram baleados e sequestrados por policiais corruptos e por assassinos a soldo na cidade de Iguala, passa pelo dia em que o ex-procurador Jesús Murillo expôs o que chamou de “verdade histórica”(que concluiu que os estudantes tinham sido mortos, queimados e que os seus restos mortais teriam sido atirados a um rio) e indica ainda o momento em que especialistas da Comissão Interamericana de Direitos Humanos questionaram a teoria.

Ai Weiwei, um crítico do governo comunista da República Popular da China, clarificou que a Lego, a empresa dinamarquesa que patenteou o famoso tijolo de plástico, se opôs à possibilidade dos brinquedos serem usados para fins políticos ou de protesto. O artista ignorou a recomendação e reconstruiu com cores brilhantes os rostos dos 43 alunos desaparecidos.

Questionado sobre a decisão de usar os blocos para efectuar crítica política, o artista afinaça que considera os Legos “democráticos”: “O Lego é um meio de comunicação muito democrático. Todos o podem usar, todos o reconhecem. Pode reconstruí-lo, é uma maneira tão eficiente, e eu adoro o efeito de pixel”, explicou o artista e dissidente chinês.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.