Saúde. Governo descarta possibilidade de surto de sarampo

O Governo descartou esta segunda-feira a possibilidade do território poder vir a ser afectado por um surto de sarampo, depois de ter submetido a análises clínicas mais de uma  centena de empregadas domésticas oriundas das Filipinas, país em que centenas de pessoas morreram este ano vítimas de uma epidemia.

A pesquisa por amostragem de anticorpos contra o sarampo às trabalhadoras filipinas radicadas no território permitiram estimar que “a imunidade (…) seja de 94 por cento”, pelo que “a possibilidade de ocorrência de uma epidemia é baixa, daí não existirem razões para preocupações”, refere um comunicado da Direcção dos Serviços de Saúde.

A conclusão foi tornada pública no dia em que foi detectado o 32.º caso de sarampo no território. Desde o início do ano já foram internados para tratamento mais de três dezenas de pacientes contra os cinco identificados em 2018, o que levou as autoridades sanitárias da RAEM a falarem num “aumento substancial”. Das 32 pessoas infectadas, 27 já tiveram alta, sendo que dez são profissionais de saúde do Centro Hospitalar Conde de São Januário e do Hospital Kiang Wu.

O Governo tinha solicitado aos trabalhadores filipinos para participarem numa pesquisa de anticorpos contra o sarampo, que decorreu entre 1 e 6 de Abril, um pedido que foi justificado pela “situação epidémica nas Filipinas”, a “mais grave” entre os países asiáticos vizinhos.

A pesquisa abrangeu um total de 107 pessoas. Todas as pessoas analisadas foram mulheres, com idades compreendidas entre os 23 e 62 anos.

Só nas Filipinas, pelo menos 261 pessoas – sobretudo crianças – morreram este ano na sequência deste surto, com especialistas a alertar que cerca de 2,6 milhões de crianças continuam em risco de contrair a doença.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.