Peruano Diego Elias e Annie Au, de Hong Kong, favoritos à vitória no Open de Squash

A prova, que arranca amanhã no Cotai e termina no domingo na Praça do Tap Seac, volta a distribuir prémios no valor de 100 mil dólares norte-americanos. As esperanças do squash do território voltam a recair sobre o macaense Manuel Gassman, que recebeu um wild card da organização pelo segundo ano consecutivo.

Marco Carvalho

A edição de 2019 do Open de Squash de Macau arranca esta quarta-feira no Centro de Bowling de Macau, no Cotai e volta a reunir  no território até ao próximo domingo alguns dos melhores atletas mundiais da modalidade.

A prova, que volta distribuir prémios no valor de 50 mil dólares norte-americanos tanto na competição masculina, como na competição feminina, é pela primeira vez encabeçado por um atleta sul-americano. O peruano Diego Elias é o principal cabeça-de-série de uma competição que traz a Macau outro praticante que integra o “top 10” da Associação Profissional de Squash (PSA). Para além do “Puma Peruano”, número nove do ranking da entidade que tutela a modalidade a nível internacional, pelos courts do território vai passar também o indiano Saurav Ghosal, décimo posicionado da tabela mundial.

Para Elias, trata-se da primeira participação no Open de Squash de Macau. Ghosal, por sua vez, foi finalista derrotado aquando da sua última participação na prova, em 2017.

O sorteio ditou que Ghosal – que chegou este mês pela primeira vez ao “top-10” da Professional Squash Association – pode vir a defrontar o terceiro cabeça-de-série do torneio, Omar Mosaad, nos quartos-de-final da prova caso não se verifiquem surpresas nas rondas iniciais da competição.

O egípcio perdeu o encontro decisivo da edição de 2018 da prova frente a Yip Tsz Fung, da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, não obstante ter alcançado uma vantagem de dois sets na recta inicial da partida.

Fotografia: Yip Tsz Fung surpreendeu tudo e todos há um ano, ao vencer a competição,

A antiga colónia britânica está representada na competição masculina pelo maior contingente dos últimos cinco anos. Yip, que defende o título conquistado há um ano (o maior da sua ainda breve carreira), estreia-se na prova com o estatuto de quarto cabeça-de-série da prova. O sorteio ditou que o atleta de Hong Kong se cruze com o conterrâneo Leo Au nos oitavos-de-final, ao passo que o finalista da edição de 2016 do torneio, Max Lee poderá enfrentar Diego Elis na mesma fase da prova.

A responsabilidade de representar a prata da casa volta a recair sobre o macaense Manuel Gassman, que recebeu pelo segundo ano consecutivo um wild card da organização. O jovem, de 17 anos, vai defrontar o malaio Ivan Yuen na primeira ronda do torneio. O outro wild card do quadro masculino da prova foi atribuído a Lau Tsz Kwan, de Hong Kong, que vai defrontar o espanhol Edmon Lopez.

O encontro de maior nomeada da primeira ronda da prova é o que opõe o finalista derrotado da edição de 2017 do Campeonato do Mundo de Juniores, o francês Victor Crouin, ao malaio Ng Eain Yow, campeão mundial no mesmo escalão em 2016. O vencedor do desafio defronta o indonésio Nafiizwan Adnan nos dezasseis-avos de final.

Annie Au é o alvo a abater no quadro feminino

A finalista vencida da edição de 2016 do Open de Squah de Macau, Annie Au, é a cabeça-de-série da competição feminina. A Associação de Squash de Macau não conseguiu atrair à RAEM nenhuma praticante do “top-10” da Professional Squash Association, mas a número 11 da tabela não terá vida fácil pela frente.

Fotografia: A egípcia Salma Hany, 12ª do ranking mundial, é a principal adversária de Annie Au na corrida pelo título.

Semi-finalista nas duas últimas edições da competição, a atleta da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong tem na egípcia Salma Hany a sua principal rival na corrida pelo título. A atleta, de 22 anos, está apostada em repetir nos courts do território a belíssima prestação alcançada há um ano, quando derrotou a favorita Camille Serme nos oitavos-de-final da prova e afastou Joey Chan, de Hong Kong, nas meias-finais da prova. De há um ano a esta parte, Hany alcançou alguns dos melhores resultados da carreira, tendo conseguido alcançar os quartos-de-final do único evento da World Series em que participou.

Em Junho último, a atleta egípcia alcançou o “top-15” da PSA pela primeira vez, tendo atingido no mês passado a sua melhor posição de sempre no âmbito do ranking mundial.

Apesar das perspectivas serem boas, o facto do sorteio ter colocado a antiga número 5 do mundo, Low Wee Wern, no caminho de Hany pode trocar as voltas à egípcia. A atleta malaia estreia-se no Open de Macau e vai tentar cimentar a sua posição na tabela mundial, depois de ter regressado ao “top 40” em Fevereiro.

A indiana Joshna Chinappa e Joey Chan, da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, são respectivamente a terceira e a quarta cabeça-de-séries. As duas atletas terão, no entanto, que mostrar atributos e terão eventualmente um duelo difícil nos quartos-de-final da prova frente às egípcias Mayar Hany e Zeina Mickawy caso consigam chegar a essa fase da prova.

As esperanças do squash do território concentram-se nas mãos de Liu Kwai Chi, que recebeu um dos wild cards da prova feminina e defronta a número um do Japão, Satomi Watanabe. Chan Sin Yuk, de Hong Kong, recebeu o outro wild card e vai defrontar a neozelandesa Amanda Landers-Murphy.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.