Mestres da Renascença italiana em destaque no MAM

A mostra, que reúne 52 obras originais que integram o espólio do Museu Britânico, é tida como um aperitivo para a edição inaugural do “Arte Macau”. O festival, que vai absorver algumas iniciativas culturais já existentes, vai transformar consulados e hotéis em galerias ao longo de um período de cinco meses.

Leonardo da Vinci, Ticiano, Micheleangelo, Rafael ou Rosso Fiorentino. Estes são alguns dos 42 mestres da pintura italiana renascentista representados na exposição “Desenhos da Renascença Italiana do British Museum”, mostra que é inaugurada na sexta-feira da próxima semana no Museu de Arte de Macau.

A iniciativa apresenta um total de 52 obras originais de alguns dos mais conhecidos pintores do período da Renascença e “explora a importância do desenho no processo criativo dos artistas entre os anos de 1470 e 1580”, sublinha o Instituto Cultural numa nota de imprensa.

Composta por mais de meia centena de desenhos, de artistas como Mantegna, Da Vinci, Correggio, Rafael, Rosso Fiorentino, Ticiano ou Michelangelo, a exposição é como que um aperitivo para a edição inaugural do “Arte Macau”, o festival internacional de arte que o Governo vai promover ao longo de um período de cinco meses. Entre Junho e Outubro, o Instituto Cultural tenciona transformar vários “resorts” e representações diplomáticas estrangeiras em galerias de arte.

“O Arte Macau” vai absorver alguns eventos artísticos já existentes, mas a grande novidade é o envolvimento de resorts e unidades hoteleiras associadas às operadoras de jogo. De acordo com a agência Lusa, as seis concessionárias e subconcessionárias de jogo já se disponibilizaram para cooperar com o Instituto Cultural. O organismo escusou-se a nomear as representações diplomáticas que vão participar na iniciativa, mas assegura que “diferentes consulados” se prontificaram a receber eventos.

O teor do programa da edição inaugural do “Arte Macau” permanece ainda no segredo dos deuses, mas já se sabe que a Orquestra de Macau e a Orquestra Chinesa de Macau estão a preparar concertos para o festival. Confirmado também está o espectáculo de dança contemporânea “O Cerco por Yang Liping”.

O “Arte Macau” foi apresentado recentemente em Lisboa como um “novo produto turístico” por parte do secretário para os Assuntos Sociais e Cultura. Alexis Tam considerou na altura, em conferência de imprensa, que o território tem “todas as condições para ser um palco privilegiado das artes contemporâneas”.

O 30.º Festival de Artes de Macau, o “Junho – Mês de Portugal” e a 16.ª edição do Festival Juvenil Internacional de Dança são algumas das iniciativas culturais que vão ser absorvidas pelo “Arte Macau”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.