Consulado de Moçambique abriu contas solidárias para ajudar vítimas do Idai

A representação diplomática de Moçambique na Região Administrativa Especial de Macau já abriu três contas solidárias para ajudar as vítimas do ciclone Idai. A tempestade já fez pelo menos 217 mortos naquele país da costa oriental africana, disse à agência Lusa o cônsul-geral de Moçambique em Macau.

Ao inícío da tarde de quarta-feira no território, Rafael Marques tinha avançado a intenção de iniciar a colecta de dinheiro na próxima semana, mas ao final da tarde indicou que já tinham sido criadas três contas no Banco Nacional Ultramarino (BNU) com o nome de “Solidariedade com Moçambique”. Os donativos podem ser efectuados em três moedas distintas: em patacas (conta 9015805031), euros (conta 9015805048) e em dólares norte-americanos (conta 9015806065).

“Estamos a organizar-nos para fazer uma colecta de dinheiro, tentando sensibilizar pessoas de boa vontade, apelando à solidariedade”, explicou o diplomata à agência noticiosa portuguesa. A iniciativa conta com o envolvimento da Associação de Amigos de Moçambique em Macau: “É possível que também sejam pedidos bens para enviar para Moçambique, mas essa é uma questão que temos ainda de ver porque a logística pode ser difícil”, referiu.

Em Macau estão radicados cerca de meia centena de cidadãos moçambicanos, informou o cônsul-geral. A passagem do ciclone Idai por Moçambique, pelo Malawi e pelo Zimbabwe já provocou mais de três centenas mortos, de acordo com os balanços provisórios divulgados pelos três governos.

Em Moçambique, o Presidente da República, Filipe Nyusi, anunciou na terça-feira que mais de 200 pessoas morreram e 350 mil “estão em situação de risco”. O governante decretou o estado de emergência nacional. O país vai ainda cumprir três dias de luto nacional, que vigoram até esta sexta-feira.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira na semana passada, deixando os cerca de 500 mil residentes da quarta maior cidade de Moçambique sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que pelo menos 400 mil pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, naquela que é vista como a “pior crise” do género no país.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, viajou para a Beira, onde dezenas de portugueses perderam casas e bens devido ao ciclone Idai, para acompanhar o levantamento das necessidades e o primeiro apoio às populações afectadas.

No Zimbabwe, as autoridades contabilizaram pelo menos um centena de mortos e mais de duas centenas de desaparecidos, enquanto no Malawi as únicas estimativas conhecidas apontam para pelo menos 56 mortos e 577 feridos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.